APÓS UM FORTE ENCONTRO COM A VIRGEM EM MEDJUGORJE, AGORA ALIMENTA UM MILHÃO DE CRIANÇAS !!!

Tempo de leitura: 6 minutos

Um forte encontro com a Virgem tornou-se uma obra de caridade de enormes dimensões. Magnus MacFarlane-Barrow, católico escocés e pai de sete filhos, é o fundador da ONG  Mary’s Meals (Refeições de Maria), uma associação que atualmente alimenta centenas de milhares de crianças em todo o mundo. A sua história está contada no livro ALIMENTANDO UM MILHÃO DE CRIANÇAS que foi recentemente publicado em língua espanhola pela editora Planeta.

Sem a Virgem de Medjugorje não existiria esta obra. Ela surgiu como uma promessa a Maria. A associação surgiu em 2002 mas em 1982 quando foi com seus pais a Medjugorje Magnus MacFarlane-Barrow teve “um forte encontro com Deus”.

O portal Cari Filli News conta como foi o processo que levou uma peregrinação mariana a criar uma ONG com mais de 80.000 voluntários:

Durante aquela peregrinação, ele e sua família rezaram o terço com os videntes de Medjugorje. “Durante estes poucos dias em Medjugorje, tive o sentimento de profunda alegria diferente de qualquer coisa que tenha sentido antes”, escreveu Magnus MacFarlane-Barrow: “Me senti exultante. Nossa Senhora veio para nos dizer que Deus existe. Eu acredito nisso com todas as fibras do meu ser. Decidi responder ao chamado de Nossa Senhora em minha vida da melhor forma que eu pude”.

Magnus começou a sua obra graças a troca de experiências que teve em Medjugorje e ele voltou para a Escócia com a vontade de servir a Deus. Ao converter a sua casa em uma “casa familiar de orações”, um local de retiro espiritual, ele e sua família cresciam na fé. Dez anos depois, em 1993, com 24 anos, ele e seu irmão viam pela TV os horrores da guerra na Iugoslávia e queriam fazer algo para ajudar. Solicitaram a ajuda de amigos, pediram doações para a Escócia e as acumularam em suas casas. Depois as levaram para a Bósnia para os pobres e vítimas da guerra. Mas ao voltar para a Escócia as doações não paravam de chegar em forma de comida, cobertores e roupas…

“Decidi deixar o meu trabalho e vender a minha casa. Um vizinho me doou um caminhão e eu me dediquei a transportar toda essa ajuda. Em um ano tinha feito vinte viagens”. Ele comprovou que Deus lhe respondia com sinais claros. Por exemplo, uma vez comprou a alguns refugiados um bilhetes por 4.200 libras. “Todo o meu dinheiro”. A surpresa foi que em casa estava me esperando uma doação anônima de 4.200 libras. Isto me aconteceu diversas vezes”.

Alguns não se casaram. Então ele decidiu criar uma ONG estável. No centro de retiros para a família chegavam sacerdotes, fiéis, missionários… contavam as suas histórias e pediam ajuda. Isto levava Magnus a conhecer projetos na Romênia, Libéria, Malauí e Somália.

“Em minha primeira visita ao Malaui, em 2002, ano de uma fome terrível, conheci uma família em uma aldeia. O pai tinha falecido e a mãe, Emma, estava agonizando. Tinha seis filhos. O maior deles, Edward, de 14 anos, lhe perguntei quais eram os seus sonhos: “poder comer e ir ao colégio”. Assim nasceu a instituição Mary´s Meals: dar de comer e levar escola às crianças. Conseguimos fazer isto com um milhão de crianças. “me encanta a ideia de que todo este movimento global que une escola e alimentação venha da ideia de uma criança de 14 anos”.

Medjugorje continuava presente nesta viagem. “Quando fui a Medjugorje em 1982, minha irmã Ruth publicou um artigo sobre a nossa experiência em uma revista católica e começamos a receber muitas cartas de pessoas que queriam saber mais deste lugar, entre elas uma senhora de Malaui: Gay Russell, que era pilota. Vinte anos mais tarde, durante a fome no Malaui, conheci em um retiro familiar um homem de negócios Tony Smith. Por acaso ele nos ouviu falar de Gay Russell, que nunca conhecemos. “A conheço” ele disse, “estamos construindo uma réplica da igreja de Medjugorje no Malaui”. Fomos conhecê-la, ela trabalha ali para diminuir a fome das crianças. Tony Smith me recordou as palavras de George McFovern: “Se os estados unidos decidisse dar uma refeição diária às crianças mais pobres do mundo, os países subdesenvolvidos sairiam da pobreza”. Entendi que era isto que eu deveria fazer. Assim nasceu a Mary´s Meals em agradecimento à Virgem de Medjugorje”.

Magnus viu muitos horrores, mas acredita que o amor é mais forte. Por exemplo, na África “conheci muitas crianças-solados e ouvi as suas histórias. Me surpreende comprovar como as pessoas que amam podem superar qualquer desgraça. Sou otimista sobre a humanidade porque minha experiência é que o bem, o amor, ganha”.

el-conocido-actor-escoces-gerard-butler-ha-querido-colaborar-con-las-obras-de-marys-mealsEn ABC da más detalles: “Ahora somos una gran familia de voluntarios de los cuales nadie cobra nada. En algunos países como en Liberia donde entramos el año pasado hemos conseguido un acuerdo con el gobierno para las gestiones sean más sencillas. Nuestra idea es proporcionar la comida a los niños y en muchos casos proporcionarles las infraestructuras de las cocinas para que sean autosuficientes». Es un sistema “low cost” que cala hondo”.

En El Periódico de Catalunya habla la coordinadora de Mary’s Meals en España, Elisalex Löwenstein, hija de padre alemán y madre italiana, nacida en un refugio antiaéreo en 1944 en Würzburg, Baviera. Como auxiliar de enfermería, ha vivido de cerca, muchas veces, lo que es ayudar al que sufre. Ella explica más acerca de la eficacia de Mary’s Meals.

“En Malawi Mary’s Meals alimenta a 900.000 niños e implica a 80.000 voluntarios locales para ello. Implicamos a la gente local para hacer suyo el proyecto, así conseguimos más objetivos: nutrir a las criaturas garantizándoles al menos esa comida al día; nos aseguramos de que, gracias a esa comida, asistan a la escuela, y empoderamos a los adultos, la gran mayoría mujeres, para hacerlo posible. Y aún algo más: conseguimos retardar las bodas de niñas adolescentes. Casarlas significa que sean alimentadas en otra casa. Nosotros, proporcionándoles la comida diaria en la escuela, cumplimos el mismo objetivo y, además, como me dijo una vez una madre en Malawi: ustedes dan futuro a mis hijos. Así es, esas madres reparten un plato de comida con el que abren paso al futuro”.

Conoció a Magnus en Medjugorje. “Coincidí con Magnus en la misma pensión y él me propuso dar a conocer la fundación en España”. Dice que le llamó la atención de él “su mente clara, su enorme corazón y su gran humildad”. Y del proyecto “la austeridad en la estructura, la implicación de la gente del lugar y con alimentos locales. Poco más de 15 euros son suficientes para alimentar a un niño todo un año”.

Traduzido do espanhol por Gabriel Paulino – fundador do Portal Medjugorje Brasil – www.medjugorjebrasil.com.br

Matéria original: https://rosasparalagospa.com/2017/02/28/tras-un-fuerte-encuentro-con-maria-en-medjugorje-hoy-alimenta-a-un-millon-de-ninos/

1 comentário


  1. Deixei um comentário, no dia de ontem, de uma fonte espanhola, de onde se recolheram apontamentos deste rapaz. A obra não tem limites e faz lembrar o trabalho encetado e levado a cabo pelos “verdadeiros” franciscanos. Só pela solidariedade é que se conseguirá algo de muito benéfico para o mundo, tão retalhado já está. E ainda não acabou…Eu penso, que estas pessoas escolhidas para certas missões, para além de terem saúde, também não tinham outras obrigações pendentes e por isso, têm em mãos situações que não são para qualquer um. E o mundo deve-lhes muito. Por isso, muita gente não é capaz de compreender Medjugorje.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *