BILIONÁRIO DEIXA TUDO APÓS VER O PARAÍSO EM MEDJUGORJE

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

huberliebherr

A graça da confifssão o libertou

Hubert Liebherr era herdeiro da empresa Liebherr de fama internacional. Conheceu por acaso Marienfried, local de aparições não reconhecidas pela igreja. Nasceu na década de 50 em Memmingen e tem 5 irmãs de pais católicos. Aos 13 anos foi colocado em um convento, mas estava bem para servir a Deus e tornou-se ateu. Era o tempo da contestação dos estudantes dos anos 60. Obtém o diploma de engenheiro arquiteto e começou a ajudar o pai na empresa na Alemanha e no exterior.

Em 1981 ele teve um acidente de carro em um cruzamento: os dois carros foram reduzidos a sucata. Os dois pilotos saíram ilesos. Apenas dois anos mais tarde Hubert notado 5 metros a partir dessa intersecção uma pequena capela com a gruta de Lourdes. Uma força irresistível levou-o a entrar: era o primeiro passo em direção a Deus, depois de tantos anos. Em frente ao imaculado ela percebeu que havia uma relação entre você e seu acidente. Sua mãe lhe dissera sobre Lourdes e Fátima. Em seguida, ele comprou um livro sobre as aparições de Fátima e descobriu que as previsões sobre a Rússia tinha se tornado realidade.

Ele voltou para a capela: a Virgem de Fátima não tinha prometido ajuda para aqueles que tinham confessado e comungado pelos primeiros sábados de 5 meses consecutivos, rezando o rosário? Hubert tinha um grande problema em sua fazenda e ele prometeu a Nossa Senhora para fazer 5 sábados na capela porque Resolveu, então, mal conhecia a oração do Senhor, mas Maria o ajudou.

Então ele pensou em ir a Fátima no 70º aniversário e voltou para a capela para pedir um sinal se ele deveria fazer ou não essa viagem. Ele sentiu uma forte corrente que percorreu o corpo: era o sinal. Em Fátima, ela passou três dias em 1987.

Durante a viagem o amigo lhe falou sobre Medjugorje e ele imediatamente sentiu uma grande atração por este lugar que voou de avião particular. Ele, o bilionário Liebherr, esperava grandes milagres, e ele tinha vergonha de orar em público, porque havia muitos alemães. Na montanha da Cruz sentiu-se forte náuseas e tonturas, ele sempre foi saudável. Em seguida, ele se lembrou de uma coisa horrível que ele tinha feito em uma igreja e que ele nunca se atreveu a revelar a ninguém, nem mesmo em confissão.
Em torno da igreja de Medjugorje havia tantas pessoas que iam à confissão, mas ele estava muito orgulhoso de fazê-lo: “. Deutsch” quando viu um sacerdote disposto a confessar em uma cadeira dobrável, estabelecendo-se ao lado também um sinal de leitura De repente Hubert ajoelhou-se e vomitou todo o passado. Sentiu-se aliviado e luz e, em seguida, sabia que a graça do sacramento.

Ele voltou novamente para Medjugorje com o seu amigo e pensaram em conjunto o que poderiam fazer para se espalhar por seu país como um presente de Deus. Em 1988 começou com um grupo de oração, encontros com os exames e até mesmo uma viagem de avião para Medjugorje organizado.

O pai então falou claramente sobre a sua responsabilidade na empresa, disse que tinha que deixar estas coisas para os padres. Antes de ir para Medjugorje em um santuário em Habsburg, ele foi atingido por uma consagração a Maria feita pelos peregrinos e lamentou a sua vida pecaminosa, reconhecendo sua própria indignidade. Então ele abriu a Bíblia e leu: “Deixa tudo e segue-me”. Mas isso é errado, ele disse para si mesmo. Em Medjugorje, onde atuou como guia para os peregrinos, ele perguntou de novo um sinal em frente a esta escolha. Deram-lhe a letra de “Segnet du Maria …” ou seja, Maria abençoe o seu Filho, que penetrou a alma, causando um arrependimento forte. Ele se refugiou em uma oportunidade que o Poderoso lhe dera sem mérito a graça da conversão. E na comunhão Hubert disse sim a Deus.

De volta para casa, o pai teve uma discussão para convencê-lo a desistir, mas a sua esposa protestante não concordou. Mas ele não tinha escolhido o caminho da cruz? Ela o ajudou a superar os obstáculos de um sonho em que, fora da estrada durante uma corrida e jogado para fora da cabine, uma senhora brilhante o tomou em seus braços. Ele entendeu que era sua vida e sentiu grande alegria.

Seu pai o aconselhou a ir a um psiquiatra, e ninguém o entendia, mas isso ajudou-a em dar adeus à vida passada. Maria o tinha levado pela mão. Com seu amigo Albert Von Brandenstein organizou o “Centro de Medjugorje na Alemanha” para espalhar a mensagem Medijugorje: ele na grande igreja Marienfried. Em 10 de maio de 1990 Mons. Van Lierde, vigário geral do Vaticano, que fez um discurso de inauguração. Sua mãe estava feliz que a conversão para o qual ele havia orado muito: ela está morta agora. persistentes dificuldades na família, todas as oportunidades de crescimento na fé e virtude. Seu casamento não foi destruído, porque é um sacramento. Para aqueles que se encontram na mesma situação em que os membros da família não incluem este caminho de dedicação total a Deus, diz ele, não se preocupe. Consagrar seus família a Maria, ninguém vai perecer. Mas temos de ter paciência. Se os seus filhos se converteram imediatamente, talvez você iria orar menos … Nossa Senhora precisa de orações e sacrifícios para muitas outras famílias.

VIDEO COM O TESTEMUNHO DE HUBER LIEBHERR

Traduzido do italiano por Gabriel Paulino – fundador do Portal Medjugorje Brasil – http://www.medjugorjebrasil.com.br
Fonte: http://medjugorje.altervista.org/doc/testimonianze//200-Lascia-un-impero-industriale-per-seguire-la-Regina-della-Pace.php

 

1 comentário


  1. Após ter lido e ouvido com profunda atenção esta belíssima e “tocante” história pessoal de Hubert Liebherr, na verdade, tenho um capítulo neste meu 2º livro sobre Medjugorje “Nunca digas adeus”, que à partida parece ensinar que nunca ninguém se deve despedir deste lugar tão especial no mundo e para o mundo. Eu própria creio que desta próxima vez, com tempo um pouco melhor, quero subir a montanha da cruz. Comigo, quero levar uma pessoa amiga, ligada por casamento, à Alemanha, cujo marido, de outra
    grande empresa alemã, infelizmente já faleceu. Dou conta, que muita gente AINDA pensa que somos lunáticos ao falar de Medjugorje. Resta-me a ânsia de que ALGO breve vai surgir e, então, quem puder por razões económicas, nunca diga “adeus”, porque TEM DE LÁ VOLTAR…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *