Budista afirma: Medjugorje curou a minha língua e abriu os meus olhos

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

medjugorjepraca

Tinha 20 anos, vivia em um ambiente cristão, mas sem Cristo no coração. Impulsionado por um estado de inferioridade devido à gagueira, procurei uma desculpa em livros de psicologia, de auto-hipnose, de ocultismo. Depois, nasceu o desejo de desenvolver algum poder psíquico que me fizesse superar o meu estado, esbarrei em filosofias orientais “libertadoras” Ninguém me tinha dito que somente Deus: “cura todas as tuas enfermidades, salva a tua vida da cova e sacia de bens de os seus dias” e “renovaria a tua juventude como a da águia” (salmo 103).

Sempre a procura de algo que funcionasse, encontrei a minha identidade em uma comunidade budista inspirada na filosofia tântrica. Por isto deixei tudo, até mesmo meu negócio. Creio que o nosso guru Shree Anandamurti prisioneiro na Índia, deveria ser o guru dos últimos tempos. Assim lia ávidamente o Tao de Bagwan e de outros livros por dois anos que tinham me virado a cabeça e me fizeram perder a fé católica e, em seguida, aproximei-me dos livros de Rá e na fé na existência de Deus e da alma após a morte.

Em tempo integral trabalhando para eles, ocupado em uma loja de alimentos integrais. Nós hospedávamos pessoas para nossos retiros, duas vezes por ano, os conventos católicos! Eu tive a ansiedade de morte, a ansiedade sobre a transitoriedade da vida, abandonei hobbies e a máquina fotográfica para anular-me: Eu queria tornar-se um monge zen, outra filosofia oriental vizinha ao budismo.
Mas minha mãe estava rezando por mim e me fez encontrar um grupo carismático, e então … um livro sobre Medjugorje: Eu queria provar a minha mãe e para mim mesmo que era tudo uma farsa. Então, eu fui forçado a ir a Medjugorje de ser convencido, mas também tinha uma vaga curiosidade. Era véspera de Natal ’84. Antes de a estátua tão feio na capela das aparições começou a se sentir mal no esmagamento: Eu não queria que ela se sente para baixo em meus joelhos Eu resisti-lo para o ponto de ruptura e sussurrei: “Se é Você, me perdoe e me ajude”. A sensação de mau estar quase desapareceu. Durante a Missa em italiano senti um grande desejo de receber a Eucaristia, mesmo que eu me sentisse um peixe fora d’água. Imediatamente após a missa eu procurei um confessor, me senti liberto e recebi Jesus na vigília de Natal.

No dia seguinte, em Medjugorje, ouvi uma voz: “Você não é digno, mas eu quero você”. Comecei a receber a Eucaristia todos os dias. De volta para casa eu estava determinado a romper com as filosofias, e não mais gastar centenas de milhares de libras com isso. Foi uma decisão nova e mais forte. Somente a Eucaristia diária poderia me ajudar a mudar mentalidades, após a doutrinação dessas filosofias: a Graça Divina ganhou de todos os condicionamentos mentais. Agora estou de volta à minha loja, eu assistir a duas vezes por semana um grupo de oração longe de casa. Da minha gagueira não restou nenhum vestígio. Fiquei em paz. A oração preenche o meu dia. Eu rezo e sofro pelos homens. Aguardo apenas uma sinal do Senhor para o meu futuro, mas não tenho outro desejo.

Villanova 25 ott.l987

Matéria original: http://medjugorje.altervista.org/doc/testimonianze//067-guarito.php

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *