FRANCISCANOS DÃO AS BOAS VINDAS AO BISPO ENVIADO PELO VATICANO

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

freimiljenkosteko
Frei Miljenko Steko, provincial dos franciscanos na Herzegóvina, região onde se encontra Medjugorje lê o comunicado da Santa Sé sobre Medjugorje.

Hoje, 11 de fevereiro de 2017, festa da Santíssima Virgem Maria de Lourdes, às 12:00, a Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou que o Papa Francisco nomeou um enviado especial da Santa Sé a Medjugorje, na pessoa de S. E. Dom Henryk Hoser, S.A.C., o arcebispo polonês, Professor atual de Varsóvia -. Praga.

Em nome da Província Franciscana, ao cuidado pastoral da paróquia de Medjugorje é confiada, exprimo gratidão filial ao Romano Pontífice, o Papa Francis, pela preocupação genuína e atenção pastoral mostrado com esta nomeação.

enquanto endereço no S.E. Arcebispo Mons. Hoser uma recepção acolhedora. Esta província, e os franciscanos, que desenvolvem o seu ministério pastoral em Medjugorje, bem-vindo ao Enviado Especial nomeado pela Santa Sé com respeito e devoção, confirmando a sua colaboração plena e sincera e prometeu suas orações para a atividade frutífera e abençoada em conclusão da tarefa que lhe foi confiada.

Mostar, 11 de fevereiro de 2017

Miljenko Steko, o provincial

Traduzido do italiano por Gabriel Paulino – fundador do Portal Medjugorje Brasil – http://www.medjugorjebrasil.com.br

Matéria original: http://www.medjugorje.hr/it/attualita/comunicato-del-provincialato-della-provincia-francescana-dellerzegovina-in-occasione-della-nomina-dellinviato-speciale-della-santa-sede-per-medjugorje,8608.html

1 comentário


  1. Entre as pessoas, que trabalham duramente ao serviço da igreja, sempre apreciei a comunidade franciscana, porque é regida por princípios, tanto quanto me tenha apercebido, de simplicidade, dedicação, estudo e respeito. Eles “avançam” muita vez para as “missões africanas”, passando por grandes dificuldades. Mas, isso já tem a ver com o caráter de cada um, sua sensibilidade, algo que é inato à sua entrega pelo próximo. Não foi por acaso, que frei, dr Slavko Barbaric também era franciscano. Acaso, sabem, que ele, altamente credenciado por Faculdades, uma na Áustria, apanhava o “lixinho” deixado pelas pessoas na Colina? Estas pessoas não ganham medalhas, são submetidas a interrogatórios, etc, etc, etc. Como ia o mundo no período do genocídio étnico jugoslavo (na altura) e como ainda vai… Haja esperança…Eu quero ter…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *