A INCRÍVEL HISTÓRIA DA ROSA DE MICHELINE

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

roseirademaria 001

No dia anterior à festa da Imaculada Conceição em 1998, nosso grupo vai ao Podbrdo,  a colina das aparições para ouvir a vidente Marija, e todos nós do grupo paramos espontaneamente, no jardim da frente de uma casa protegida por um muro de pedra.
Através de uma velha parede rachada vimos  uma roseira com uma única rosa brotando do concreto.

Fizemos uma pausa para admirar esta pobre planta que resistiu ao frio no mês de dezembro. Tivemos pena dela como se fosse uma pessoa.

Encurvada na extremidade de sua haste e expostas ao frio, a rosa parecia nos olhar com compaixão.

Micheline, nossa peregrina, tirou uma foto desta roseira.

Qual não foi sua surpresa quando revelou o filme, no centro da flor podemos ver um rosto de mulher. observando.

Esta foi a imagem de nossa peregrinação que teve uma profunda interioridade.

Estávamos totalmente preparados para tal efusão de delicadeza.

Nossa esperança passará, como uma flor, em direção à eternidade completa !

Traduzido do francês por Gabriel Paulino – fundador do Portal Medjugorje Brasil – www.medjugorjebrasil.com.br

Livro LETTRE INTIME À MES PELERINS – Les editions Sakramento – Direitos em lingua portuguesa do site Medjugorje Brasil

1 comentário


  1. Escrever sobre todos este fenómenos sobrenaturais nem sempre é fácil, mesmo para quem todos os dias vai “deslizando” seu textos de diversos conteúdos. Uma coisa é certa A Virgem Santa tem uma Sensibilidade incrível este texto não carece de mto comentário, porque olhar a “ROSA” é olhar ALGO! Por isso, dediquei estes excertos de um poema meu à Senhora do Mundo! “Orquídea suavemente suas pétalas uma a uma abriu/ Gota de água límpida, transparente, devagar escorreu/ Sinfonia de novo dia se tocava; meu ser, então, sorriu!/O sol, melancolicamente lá fora, a medo espreitava(…)Vento agreste, galhos de árvores outonais tremeram/ Minha veia, escrita intrépida se derramara; livre voou/ Minha haste sequiosa se não curvou; lírio nela nasceu/ Asas do meu porvir, nos céus-cinza, seu brilho refletiu…A minha homenagem à Virgem Santa em paragramatismo ideológico e de ternura.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *