Italiana encontra paz após diversas tentativas de suicídio

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

ITALIANA ENCONTRA A PAZ APÓS TENTATIVAS DE SUICÍDIO

Quando  criança, Gabriella Belotti perdeu a mãe. Quando jovem, ela perdeu o pai, também. Depois de ter perdido um filho no ventre, ela também perdeu o marido. Depois de três tentativas de suicídio, ela começou a perceber sinais de que a levaram a Medjugorje. Aqui ela encontrou a paz que levou todo o seu sofrimento embora.

Gabriella Belotti
Gabriella Belotti conta a sua história na televisão italiana

Medjugorje trouxe alívio para muitos peregrinos que sofrem. Mas poucos já haviam passado por mais do que  Gabriella Belozzi, uma mulher de 53 anos de Gorlago, Itália.

“Minha vida tem sido marcada pela dor. Depois de perder as pessoas mais queridas para mim, meus pais, meu marido Roberto, o amor da minha vida, e nosso filho que morreu antes de nascer, eu pensei que eu iria enlouquecer. Eu estava em desespero, mas Roberto nunca me deixou sozinha: Eu comecei a notar os sinais que ele me enviou, e que me levaram a Medjugorje, onde encontrei paz e redescobri Deus “, ela diz ao jornal local Bergamo News.

 Aos 5 anos, em 1966, Gabriella Belotti perdeu a mãe. Ela sacrificou sua vida para salvar Gabriella quando uma moto estava prestes a bater na menina. O motorista foi condenado a 18 meses de prisão.

acidentemotogabriella
Os sofrimentos de Gabriella Belozzi começaram com um acidente de moto que tirou a vida de sua mãe. Ela tinha 5 anos quando sua mãe sacrificou sua própria vida para salvá-la.

 “Nunca o  vi, nem nunca houve uma sugestão de pedido de desculpas pelo que tinha feito”, diz ela.

Depois de crescer com seu pai e suas três irmãs, Gabriella Belotti foi para a faculdade: mais nove anos difíceis para a jovem.

“Eu sofri muito por estar separada da minha família, muitas vezes eu me senti sozinha e triste. Depois de nove anos eu voltei para casa e, junto com meu pai, eu vivi alguns anos felizes, até que, após uma parada cardíaca na noite de 03 de maio de 1984, meu pai morreu segurando a minha mão. Eu temia sua morte durante a infância e agora tinha acontecido. Logo depois, meu casamento com o meu primeiro marido terminou porque eu estava à procura de uma família enquanto ele não estava “, conta.

Anos mais difíceis seguiu à morte de seu pai. Em seguida, por volta da virada do século, ela conheceu o amor de sua vida.

“Em 18 de junho, o aniversário do meu pai, eu decidi comprar um carro novo.  Na loja eu conheci Roberto. Ele era o homem perfeito: tínhamos muitos interesses em comum, e ele também queria começar uma família após o fim de um casamento anterior “, diz Gabriella Belotti.

portosanpaolosicilia
Porto San Paolo na Sardenha, Itália, onde Gabriella Belotti teve alguns anos felizes com o marido.

 Exceto pela tragédia de perder um filho no ventre, o casal teve alguns anos muito agradáveis ​​juntos.

“Estávamos muito felizes e sete anos após nos encontrarmos nos casáramos.   Decidimos comprar uma casa em Porto San Paolo, na Sardenha. Foi um período de paz, até que, após 18 meses de casamento, Robert morreu em um acidente de carro no dia 1 de dezembro de 2008. Eu fiquei desesperada, eu parecia enlouquecer. Comecei a beber e tentei cometer suicídio três vezes “, conta.

Em meio a seus sofrimentos, Gabriella Belotti começou a notar o que parecia ser sinais.

coracoesdepedra
Corações de pedra estavam entre os sinais que mantinham Gabriella Belotti vivendo durante sua época mais difícil.

 

 “Comecei a ver o carro de Roberto em todos os lugares,  ouvir o seu nome em todos os lugares, ver corações de pedra e vidro. Eu aprendi a decifrar os símbolos que se tornaram  uma língua natural e a única coisa que me manteve viva. Estes foram os sinais de que finalmente me levaram a Medjugorje “, explica.

“Um dia, no aeroporto, na Sardenha, minha atenção foi atraída para um livro sobre Medjugorje: Foi publicado em Turim, em dezembro de 2008, a cidade natal de Roberto no mês e ano da sua morte.”

estatuajesusemaria
Encontrar Jesus e a Virgem Maria sobre um crucifixo na frente de uma casa que lhe foi mostrada tornou-se um sinal importante para Gabriella Belotti

 “Na Sardenha, um dia, um agente imobiliário me levou para ver uma nova casa na colina de Porto San Paolo. Na parede da casa havia dois corações feitos de pedra. Estes corações foram os pontos de referência para a minha forma de renascimento. Na frente havia um crucifixo com Jesus Cristo, Nossa Senhora, a Rainha da Salvação. Próximo a istohavia  uma estátua de Santo Antônio, o padroeiro dos órfãos e das viúvas, como eu, e no lado uma grande pedra com as palavras “Village of Serenity” , diz Gabriella.

“A mensagem era clara: o lar para os nossos corações são Jesus e da Virgem Maria. Eu senti um forte desejo de ir a Medjugorje, e parti no dia de Páscoa de 2011, que marcou o  meu renascimento “.

colinadasaparicoesmedjugorje
Colina das Aparições, em Medjugorje, onde Gabriella Belotti recebeu um presente, ouviu uma voz, e encontrou a paz.

 

 Em Medjugorje, Gabriella Belotti encontrou a paz:

“Quando eu estava subindo a colina das aparições, vi uma pedra em forma de coração no chão. Ouvi uma voz dizer: “É para você”. Peguei-a do chão e limpei, estava perfeita, e a parte de trás tinha uma imagem de um cordeiro. Segurei-a de  perto e  chorei de alegria e tristeza, a dor estava me matando lentamente. Em certo ponto eu dormi com a cabeça entre os joelhos “, lembra.

“Quando acordei, senti uma paz no meu coração que eu não sentia há muito tempo. Comecei a rezar a Ave-Maria com o terço que eu tinha acabado de tomar porque todo mundo tinha um. Eu não conhecia o Rosário, eu estava longe de Deus havia mais de 30 anos, mas agora eu não queria descer desse monte. ”

A capa do livro de Gabriella Belotti recente, “Tu Sei Qui” (você está aqui), que conta a história de sua vida e conversão em detalhes

 “À noite, em meu quarto de hotel, eu vi uma nuvem em forma de coração que formou lentamente um rosto. Eu pensei que eu estava louca, mas era tudo verdade: os outros também viram. Ao voltar para casa a partir desta viagem, eu percebi que não havia nenhum vestígio de dor mais. Ver o túmulo de Roberto já não me fazia chorar. Senti um milagre dentro de mim, porque era impossível que tal dor pudesse desaparecer em um instante. Foi um momento que mudou toda a minha vida “, diz Gabriella Belotti.

“Eu experimentei a dor sem fé. Eu não posso nem descrever o quanto ela dilacerou a minha vida e minha alma, mas também não posso descrever a alegria que eu tenho no meu coração agora, quando voltei a viver com Deus. ”

Gabriella Belozzi acaba de publicar um livro sobre sua vida. A receita irá para a caridade.

1 comentário


  1. Muito comovente, porque imensa gente tem sua história de dor. Eu também a tenho cheia de perdas, tão cedo ainda em suas vidas, que me davam uma razão de viver. Por isso, muita vez digo que aproveitem o melhor da amizade ou do amor, que possam ter na vida. Nada de bom desperdicem e sobretudo falem. Nunca confessem “as palavras que te não disse”. Desde que fui a 1ª vez a Medjugorje e ainda faltava o luto de minha mãe, eu estava destroçada pela “partida” da minha melhor amiga, que sucumbiu a um câncer. Irreversível. Tinha de lhe dar, na boca, os comprimidos da quimio e isso fez-me muito mal. Depois, ali no campo, qdo pensava ser a 1ª e última vez que ali ia, foi qdo tudo aconteceu. O Céu desceu à Terra. Impressionante. Conheci meu amigo, compatriota de minha mãe, Gabriel Paulino e a partir desta nossa amizade, comecei a escrever, já que não estava aos microfones, que tanto gostava por não ter ido para Lisboa. Uma forma de ir suavizando as perdas. Não é fácil…Só que me sinto mais de lá do que daqui de Portugal.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *