Medalha Milagrosa, Lourdes e Medjugorje: O plano final de Nossa Senhora

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Medjugorje, Lourdes e a Medalha Milagrosa: O plano de Nossa Senhora

Nossa Senhora disse:

…Se vocês rezarem, Deus irá ajudá-los a descobrir a verdadeira razão da Minha vinda…

Exceto por seu confessor, padre Aladel, o Bispo e nos anos seguntes, somente mais uma ou duas outras pessoas sabiam que Santa Catarina tinha recebido de Nossa Senhora a imagem da Medalha Milagrosa. Santa Catarina vivia em um convento, tão modestamente como uma vidente, que ninguém por décadas sabia que ela foi a vidente que recebeu a Medalha Milagrosa. Catarina mesmo disse que toda a sua vida foi um martírio. Porque ? Por causa dos seus superiores. Depois de dois anos Santa Catarina conseguiu finalmente que seu confessor cunhasse a Medalha Milagrosa. Ele tinha silenciado Catarina repetidas vezes de falar sobre isto, até um dia em que ele se dirigiu a ela e Catarina respondeu que Nossa Senhora estava triste com ele. Catarina, após as aparições, recebia instruções de Nossa Senhora através de locuções interiores. O mariólogo francês René Laurentin escreveu:

“O que ela deveria fazer quando estava diante destas instruções contraditórias vindas de um lado por Nossa Senhora e pelo representante de Deus do outro ? No outono, ela juntou coragem para responder a Nossa Senhora: “Ele, padre Aladel, não quer me ouvir.” “Ele é Meu servo.” Respondeu a voz dentro dela, “E ele deveria temer Me desagradar.” Catarina tentou uma terceira vez com ele dizendo: “A Virgem está triste.” Padre Aladel ficou petrificado, estas palavras o afetaram e o atormentaram desta vez. Seria ele um “mal servo” Daquela de quem ele amava chamar de “Refúgio dos pecadores” ?”

Então Nossa Senhora estaria preocupada com ele, impressionou padre Aladel. Após ouvir estas palavras de Santa Catarina ele foi até o Bispo que disse a padre Aladel para cunhar a medalha e a distribuir sem dar nenhuma explicação. Quando a distribuição começou, muitas pessoas voltavam pedindo mais, dizendo que milagres estavam associados a esta Medalha. Logo milhões foram distribuídas enquanto as pessoas continuavam indo até o convento, aguardando que eles mesmos a chamassem de “Medalha Milagrosa”. Contudo ninguém sabia ou compreendia a agonia continua de Santa Catarina que foi instruída por Nossa Senhora a procurar os superiores dela para que a capela da Medalha Milagrosa fosse aberta para os peregrinos. Os superiores de Santa Catarina rejeitavam repetidamente o pedido. Nossa Senhora disse a Catarina que quando as autoridades da Igreja fizessem isto, milagres sem número seriam concedidos, da mesma forma como estava acontecendo com a Medalha Milagrosa. A ordem de Nossa Senhora de abrir a capela era a segunda parte de um plano de conversão com três partes, iniciado com a Medalha Milagrosa. Os superiores se negavam a abrir a capela. Esta foi a tarefa mais difícil para Catarina, Nossa Senhora diversas vezes disse a ela para falar com os seus superiores que a abertura para peregrinações da capela onde Nossa Senhora tinha dado a Medalha Milagrosa era Seu desejo e ali grandes graças e bênçãos seriam concedidas sobre a comunidade de Catarina quando o pedido fosse cumprido. A capela na Rue du Bac seria um local de milagres como a Medalha Milagrosa tinha milhares de milagres associados a ela. Por 34 agonizantes anos, o pedido de Santa Catarina foi negado com relação ao que Nossa Senhora queria, até mesmo apesar de seu confessor soubesse e acreditasse que Nossa Senhora aparecia a ela.

Mas o impressionante que Santa Catarina nos conta em relação a esta recusa. Após 28 anos com a capela fechada pelos superiores, Nossa Senhora aparece em outro lugar! Catarina, ela mesmo confirma que as graças que estão sendo dadas em Lourdes, deveriam ter acontecido na capela da Medalha Milagrosa:

“De acordo com o senhor Tranchemer, Catarina teria dito: “Você sabe, estes milagres deveriam acontecer em nossa capela”. Aparentemente ela disse o mesmo ao senhor Millon:”Se os superiores quisessem, a Bem-Aventurada Virgem teria escolhido a nossa capela.”” [livro Catherine Laboure: vidente da Medalha Milagrosa. Autor: padre Rene Laurentin]

Após a morte de Catarina, foi revelado a todos que ela foi a vidente e que ela confirmou que Nossa Senhora tinha saído e aparecido em outro lugar.

“De acordo com o senhor Pineau, o senhor Dufes encontrou nos pertences de Catarina escritas estas palavras com sua própria letra: “Minha querida Mãe, aqui ninguém quer fazer o que a Senhora deseja; manifeste-se a Senhora mesmo em outro lugar!” [livro Catherine Laboure: vidente da Medalha Milagrosa. Autor: padre Rene Laurentin]

“Quando Catarina ouviu as pessoas falando das aparições em Lourdes (1858), ela disse: “É Ela mesma!” O que é mais extraordinário, escreve o senhor Dufus, seu superior, era que sem ter lido qualquer trabalho publicado, Catarina estava mais familiarizada com o que estava acontecendo em Lourdes do que aqueles que tinham realmente ido lá em peregrinação.” [livro Catherine Laboure: vidente da Medalha Milagrosa. Autor: padre Rene Laurentin]

As aparições de Lourdes aconteciam ao ar livre. Nossa Senhora aparecia a céu aberto para Bernadette em Lourdes. As aparições aconteceram para esclarecer que uma autorização não era necessária e livrou dos julgamentos errados e do excesso de cautela que causaram o martírio de Catarina, através do seu voto de obediência.

Catarina, quando ouvia as maravilhosas histórias dos milagres que aconteciam em Lourdes sentiu mais sutilmente o seu martírio contante devido a contínua rejeição dos seus superiores aos planos de Nossa Senhora. No seu livro Catharine Laboure, o padre René Laurentin escreve:

“Em diferentes ocasiões, nos diz o senhor Cosnard, irmã Catarina fez grandes esforços para me convencer que as peregrinações para Nossa Senhora das Vitórias cuja associação usava a Medalha Milagrosa e as peregrinações a Lourdes tinham sido conseguidas por Nossa Senhora para compensar as peregrinações que os seus superiores não deram a necessária autorização para irem a nossa capela.”

Enquanto Catarina ouvia a voz de Nossa Senhora, as vozes de seus superiores iam contra os pedidos de Nossa Senhora. René Laurentin escreve:

“A tortura de não ser ouvida fez Catarina um pouco dura e tensa em algumas vezes.”

Catarina continuou a sentir pena de que a capela em Rue du Bac não fosse aberta aos peregrinos, porque ela ainda estava sendo pressionada pela promessa de Nossa Senhora que:

“As pessoas conhecerão onde Eu estive.”

“Catarina quando ouviu sobre a cura de um surdo-mudo em Lourdes disse: Vocês sabem, todos estes milagres deveriam acontecer em nossa capela.”

René Laurentin escreve:

“Catarina continuava ainda preocupada com a capela da Rue du Bac – uma fonte não reconhecida (de graças) selada (a fonte ou nascente de milagres que foi agora concedida em Lourdes).

Catarina continua:

“A peregrinação que as irmãs (da ordem de Santa Catarina) fizeram a outros locais não foram úteis para a piedade delas. A Bem-Aventurada Virgem n]ao disse que vocês tinham de ir e rezar tão longe. É na capela da comunidade que Ela quer que as irmãs A invoquem. Ali (na capela) é a peregrinação delas.”

Rene Laurentin escreve:

“Catarina também teve intuições sobrenaturais a respeito da distribuição da medalha, bem como o crescimento rápido de Lourdes … e ela viu o afluxo de peregrinos como uma compensação para aqueles que não podiam ir à Rue du Bac, uma vez que a decisão de abri-la não havia sido tomada.”

É uma incrível revelação compreender que Lourdes e seus milagres aconteceriam em Rue du Bac e que Nossa Senhora foi rejeitada e o plano de peregrinações que Nossa Senhora queria tinha mudado para Lourdes para distribuir as graças que Deus já tinha concedido a Nossa Senhora mas que os homens não quiseram.

Após a morte de Catarina, a capela foi finalmente aberta, mas os milagres e conversões sem número que aconteceriam ali agora pertenciam a Lourdes. E ainda outro martírio para Catarina envolvia a estátua de Nossa Senhora segurando o globo. Ela foi colocada na capela em Rue du Bac, no local em que a aparição aconteceu. Ainda, isto também foi rejeitado. Padre Laurentin escreve que Catarina revelou o pedido de Nossa Senhora a uma irmã, de modo escondido:

“Sr. Cosnard sabia sobre as conversas de Catarina em um nível profundo. Desde modo, ela (a irmã) conseguia que Catarina falasse sobre as aparições através de largas conversas sem que Catarina mesmo revelasse por si mesma. Então Catarina foi capaz de confiar a ela (a irmã) a mensagem que estava mais próxima de seu coração.”

Catarina diz ao senhor Cosnard:

“Quando Ela apareceu… A Mais Santa Virgem segurava um globo do mundo em Suas mãos. Ela o estava oferecendo… Não uma gravura desta aparição… Mas Ela quer um altar no local onde Ela apareceu.”

Laurentin escreve:

“Muitos obstáculos a tinham machucado, muitas recusas tinham distanciado ela entre a obediência a Virgem, da qual ela era mensageira, e a obediência aos confessores os quais rejeitavam os seus pedidos. Sua consciência sofria violentamente.”

O pedido de Catarina, a pedido de Nossa Senhora, de ter uma estátua de Nossa Senhora esculpida segurando um globo foi rejeitada pelo seu confessor porque ele dizia que isto iria confundir as pessoas com a imagem já cunhada na Medalha Milagrosa.

Catarina escreve a respeito disto:

“Era o meu martírio da minha vida.”

Laurentin diz:

“Catarina admitia que não poderia se resignar em omissão.”

Catarina apresentou a terceira parte do plano de Nossa Senhora mostrada nas costas da medalha, a qual notavelmente foi rejeitada pelos seus superiores. Nossa Senhora queria algo muito especial estabelecido na França, não somente para a França e para a sua conversão, mas para a conversão das pessoas que viriam de todas as partes do mundo. Rejeitado pelos seus superiores, este desejo de Nossa Senhora não foi cumprido.

Padre Rene Laurentin nos conta a história. Catarina, durante a revolução de 1848, quando ouviu que alguns rebeldes viriam saquear, Tuleries, um jovem rapaz, temendo um sacrilégio, correu para a capela para levar os vasos sagrados e o crucifixo. O jovem virtuoso segurou o crucifixo gritando: “Vida longa a Cristo!” Quando os rebeldes começaram a gritar contra ele, o jovem segurou o crucifixo mais alto e gritou: “Vocês querem uma vida nova ? Bem, não se esqueçam que vocês somente podem tê-la através de Cristo.” “Sim, sim!” responderam eles de volta, jogando os chapéus para o ar e gritando: “Vida longa a Cristo!” Esta mudança no espírito da multidão ao sinal da cruz, desencadeou em Catarina a lembrança de uma ordem não cumprida – a terceira parte do plano de conversão.  Catarina transmite a sua visão:

“… uma visão de repente e livremente acontece dentro dela, tal como anteriormente: o que estava sendo dado a ela era o triunfo da cruz, o triunfo que deveria ser trazido a vida. Uma cruz monumental deveria ser construída em Paris. Seria para fortalecer os laços entre os cristãos e Cristo Crucificado.”

Catarina disse que a própria Nossa Senhora queria que uma cruz fosse construída em frente da catedral de Notre Dame. Catarina descreve o que Nossa Senhora disse a Ela:

“Esta cruz seria chamada de cruz da vitória. Ela seria objeto de muita veneração. De toda a França e de países longínquos, até mesmo além-mar, alguns viriam por causa da devoção, outros em peregrinação, e ainda outros por simples curiosidade. E, claro, proteções especiais ocorreriam que seriam tidas como milagrosas. Nem uma única pessoa viria a Paris e visitaria esta cruz como uma obra de arte.”

Catarina descreve o tamanho da cruz:

“Os pés da cruz parecem ter uns 10 a 12 pés quadrados e a cruz mesmo tem de 15 a 20 pés de altura. Uma vez que for construída, para mim parece ter cerca de 30 pés de altura.” [livro Catherine Laboure: vidente da Medalha Milagrosa. Autor: padre Rene Laurentin]

Laurentin:

“Esta visão realista estava cheia de esperança. Catarina sentia impelida a apresentá-la para o padre Aladel. “Aqui vamos nós de novo!” ele pensou e confirmou o seu conselho contra ilusões. Catarina tentou novamente em vão. Ela decidiu pegar sua caneta e escrever em 30 de julho de 1848: “Pai, é isto… a terceira vez que eu falei a você sobre esta cruz.””

Sim, a cruz foi rejeitada. De acordo com René Laurentin:

“… E se a cruz que ela (Catarina) pediu tivesse sido construída, então poderia haver uma rápida expansão (conversão e milagres) como aqueles acontecidos com a Medalha Milagrosa. Este movimento teria sido o coroamento lógico de suas visões. As teriam recentralizado em Cristo. Catarina estava profundamente impregnada desta lógica. Ela expressou isto em um de seus últimos pronunciamentos em seu leito de morte.”

Em seu livro Catherine Laboure, padre Rene Laurentin resume as profecias não realizadas de Catherine:

“A visão simbólica de uma cruz em frente da catedral de Notre Dame  tinha sido anunciada… Mas aqui é menos o caso de uma profecia não realizada do que um pedido recusado… Se a Cruz tivesse sido realizada, sem dúvida teria produzido uma onda de devoção e graças similar aquela produzida pela Medalha Milagrosa. Teria sido um complemento cristológico e o coroamento da mensagem, no sentido de que a cruz é o resumo da mensagem: a cruz que domina a Medalha Milagrosa.”

Então as três partes do plano de conversão de Nossa Senhora:

  1. Para a conversão dos indivíduos – a Medalha Milagrosa
  2. Para a conversão particular da França – peregrinações para a capela
  3. Para a conversão de todos aqueles que viessem até a cruz e também para os países estrangeiros – a Cruz a ser erigida em frente da catedral de Notre Dame.

Como vimos, apenas a primeira parte não precisou ser compensada. A segunda parte do plano de conversão foi compensada por Lourdes tornando-se um local de peregrinações quando os superiores recusaram a abrir a capela de Rue du Bac. E sobre a terceira parte ?

  1. A Medalha Milagrosa realizou milhões de conversões e milagres.
  2. As graças das peregrinações para a capela em Rue du Bac onde milhões de milagres, curas e conversões iriam acontecer, ao contrário foi rejeitada. Nossa Senhora então concedeu estas graças, as transferindo para Lourdes.
  3. A cruz a ser erigida em frente da catedral de Notre Dame para que o mundo inteiro viesse foi rejeitada e nunca realizada. Ainda que a cruz dominasse as costas da Medalha Milagrosa, a terceira parte do plano de conversão.

Por que Nossa Senhora não compensaria a terceira parte do Seu plano, a Cruz, a estabelecendo em algum lugar para onde as pessoas de todo o mundo pudessem vir até Ela, assim como aconteceu com as peregrinações para Lourdes ?

Muitos conhecem o significado do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria e das doze estrelas. Mas e quanto ao restante da medalha ? Existe nela também uma natureza profética a ser compreendida ?

Porque Nossa Senhora daria uma imagem nas costas da Medalha com variados e distintos detalhes se Ela não desejasse falar para as pessoas através deles ? Caso contrário seria apenas um design moderno, algo que sabemos que Nossa Senhora não faria. Nossa Senhora fala não de modos teologicamente complexos, mas de maneira simples. Jesus também falava deste modo tão simples; da mesma maneira Nossa Senhora fala, tão simples em Suas mensagens. Esclarecendo sobre o pedido de Nossa Senhora para Catarina Labouré dos planos de conversão, o propósito da medalha era fazer Nossa Senhora mais conhecida e amada, vocês podem agora entender o que se segue.

Não se poderia supor que as barras que formam a letra M na parte de trás da Medalha Milagrosa, todos com espessuras diferentes em M e outros símbolos não são uma mensagem. Qual é esta mensagem ?

IMACULADA

Nossa Senhora é a Imaculada. A única digna de fazer a última chamada nestes últimos tempos. O I é claramente distinto do M, para significar o sentido da medalha: “Ó Maria concebida sem pecado” IMACULADA.

A primeira perna grossa e a segunda fina, formam claramente um V distinto na imagem claramente se destacam do M e demonstram o V de VIRGEM.

O M é claramente uma referência a MARIA.

Não podia ser sem propósito que Nossa Senhora deu a imagem da Medalha Milagrosa em 1830 e 24 anos depois, em 8 de dezembro de 1854, Pio IX definia o dogma da Imaculada Conceição. A medalha tinha sido profética:

“I”MACULADA “V”IRGEM “M”ARIA

A revelação do M mostra o quão simples Nossa Senhora dá significado também para as mensagens dadas em Medjugorje. Deste mesmo modo Jesus transmitia as Suas Verdades, não vistas nem compreendidas até que a oração mostre o que estava lá o tempo todo.

Nossa Senhora disse em 25 de outubro de 1988 em Medjugorje:

“… rezem para que vocês possam compreender a grandeza desta mensagem que Eu estou dando para vocês…”

Sim, Nossa Senhora conseguiu a Sua Cruz! E juntamente com a Cruz, Ela conseguiu uma montanha, a Montanha do Krizevac, conhecida por milhões de pessoas como a Montanha da Cruz em Medjugorje! E as pessoas vem de países estrangeiros até Ela. O mundo inteiro vem até esta Cruz e milhões de milagres de conversões e curas espirituais ocorreram ali, como aconteceu com a primeira parte do plano, a Medalha Milagrosa e a segunda parte do plano, o local de peregrinação em Lourdes e agora na terceira parte do plano de salvação de Nossa Senhora – A Cruz em Medjugorje.

Não parece estranho que esteja incluída na imagem da Cruz exista uma base que atravessa o M na Medalha Milagrosa ? A base da cruz não mostra não estar tradicionalmente ligada ou vista com uma imagem da Cruz. Este não é um design moderno. A Cruz, com a base, não estaria lá se Nossa Senhora não fosse profética em ver o futuro.

Incrivelmente, Catarina deu as dimensões do que tinha visto em visão, exatamente o tamanho da cruz que terminou sendo construída em Medjugorje.

Catarina disse:

“Os pés da cruz parecem ter uns 10 a 12 pés quadrados e a cruz mesmo tem de 15 a 20 pés de altura. Uma vez que for construída, para mim parece ter cerca de 30 pés de altura.” [livro Catherine Laboure: vidente da Medalha Milagrosa. Autor: padre Rene Laurentin]

Medidas da cruz pedida por Nossa Senhora à Santa Catarina Labouré em 1830

Santa Catarina era muito boa em medidas. Ela cuidava de todos os animais na sua comunidade e tinha a reputação de ser meticulosa em sua precisão em contabilidade. A precisão com a qual Santa Catarina estimou o tamanho da cruz que viu na visão e como ela corresponde em tamanho com a Cruz da Montanha do Krizevac em Medjugorje é mais do que impressionante.

A cruz da Medalha Milagrosa profeticamente predita nas costas da medalha e as dimensões vistas por Catarina em uma visão: base quadrada com de 10 a 12 pés com uma cruz de 15 a 20 pés de altura em um total de 30 pés.

A cruz rejeitada pelos superiores de Catarina agora estabelecida na montanha do Krizevac em Medjugorje, construída nas dimensões exatas da visão: base quadrada de 12 pés, cruz de 16 pés e altura total de 30 pés.

Leia as incríveis revelações nas mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje:

31 de agosto de 1984

Também a Cruz fazia parte dos desígnios de Deus quando vocês providencialmente a construíram sobre a montanha do Krizevac de modo muito especial. Vão ali com mais frequência e rezem.

A cruz da montanha do Krizevac foi construída em 1933 em comemoração aos 1900 anos da morte de Cristo foi feita nas mesmas medidas que Nossa Senhora pediu à Catarina Labouré. O pároco de Medjugorje não sabia desta profecia.

31 de dezembro de 1981:

… Quase todos os dias eu estou aos pés da Cruz. Meu Filho carregou a Cruz. Ele sofreu na Cruz, e através Dela, Ele salvou o mundo. Todos os dias Eu rezo para que Meu Filho perdoe os pecados do mundo.

Se alguém não tiver a chance de ir até Medjugorje, use a Medalha Milagrosa. Medite nestas maravilhas que Nossa Senhora está revelando através da oração em nosso tempo e vá até lá em oração. Para onde ir ?

Profeticamente, Nossa Senhora nos mostrou o lugar onde finalmente a cruz seria construída:

Traduzido do inglês por Gabriel Paulino – editor site WW.MEDJUGORJEBRASIL.COM.BR

Fonte: “Livro It ain´t gonna happen! – By a friend of Medjugorje – Editora SJP 2010”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *