Medjugorje e as experiências de quase morte – uma possível conexão ???

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Medjugorje, o Depois desta Vida e Experiências Perto da Morte – Uma Conexão Possível?

danielklimek

22 de novembro de 2016

Por Irmão Daniel Klimek

O que nos acontece depois de morrermos? Existe uma alma? Existe a vida futura, ou é essa realidade material o fim? Ao longo da vida, não importa qual seu histórico religioso (ou não-religioso)  todos nós nos fazemos essas grandes perguntas. Todos nós ponderamos sobre as respostas, especialmente quando perdemos entes queridos. Existe uma vida após a morte? Existe uma alma que continua a viver depois que o corpo pára? Ou não há nada mais depois? Esse é o fim?

Perguntas profundas sobre a morte e a vida após a morte, questões eternas, também tiveram grande fascínio cultural nos últimos anos. O premiado diretor Clint Eastwood acaba de lançar um novo filme sobre a vida após a morte chamado “Hereafter (Depois desta Vida)”, estrelado por Matt Damon como um paranornal que pode fornecer algumas respostas. O líder intelectual ateu Christopher Hitchens foi atingido por câncer de esôfago e pergunta sobre a morte, a vida após a morte, o julgamento, a possibilidade de uma conversão tardia, preocupa  comentaristas observando sua provação. O irmão mais novo de Hitchens, o intelectual britânico Peter Hitchens, acaba de escrever um livro chamado “A raiva contra Deus: Como o ateísmo me levou à fé”, um livro de memórias espirituais que, entre outras coisas, aborda o tema da morte. J.K. Rowling terminou seus romances de Harry Potter explicando que a morte constituiu o tema principal durante todo o trabalho, confirmando sua própria crença em uma vida após a morte, como ela declarou uma vez: “… Eu acredito na vida após a morte. É algo com que eu luto muito. Isso me preocupa muito, e eu acho que é muito óbvio dentro dos livros. ”

Então, como podemos obter algumas respostas concretas a essa questão eterna do que acontece depois da morte? É possível obter respostas concretas, além demera especulação de cineastas ou escritores e romancistas (não importa o quão nobre sejam tais especulações)? Há de fato,  uma maneira de descobrir sobre a vida além através de evidências empíricas.

Precisamos nos sentar, observar as descobertas de um professor que estuda Experiências de Quase Morte e de um par de místicos que relataram ter tido visões da vida após a morte. Essas duas fontes concordam com o que está além?

Vamos começar com os místicos.

No mês passado, o cardeal Christoph von Schonborn, arcebispo de Viena, recebeu dois dos videntes de Medjugorje na Catedral de Santo Estêvão, na Áustria. Os dois videntes, Ivan Dragicevic e Marija Pavlovic-Lunetti, relatam ter aparições diárias da Virgem Maria desde 1981. Os videntes alegam que, além de suas experiências, também tiveram visões da vida após a morte.

Dando seu testemunho diante de uma catedral lotada em 23 de setembro de 2010, a videntea Marija explicou o que a Virgem Maria disse (e mostrou) sobre a vida após a morte.

“Ela disse que há muitas pessoas que não acreditam que há Céu, Inferno e Purgatório. E através da mensagem que ela nos deu, ela disse que nossas vidas devem ser como uma flor, e que estamos aqui apenas de uma forma passageira. Somente a vida eterna não passa. Por isso ela nos apressa,  nos pede, que pensemos mais na vida espiritual e no paraíso. Ela quer que pensemos no Inferno e no Purgatório. Ela disse que nossa vida será muito diferente, nossa atitude em relação à vida será muito diferente, quando pensamos na vida após esta vida. E ela disse que realmente entenderemos que esta vida é breve  como uma flor, e que aqui estamos neste mundo em um caminho de passagem. É por isso que ela nos encoraja: viva-a  …  de modo  que possamos viver esta curta vida com alegria; Que possamos entender, como diz a Bíblia … que estamos realmente em um caminho, que estamos apenas de passagem. É por isso que Nossa Senhora mostrou Céu, Inferno e Purgatório. Para nos mostrar que essas realidades existem. ”

Há um Céu, um Inferno e um reino médio chamado Purgatório. Podemos acreditar neles? Há algum vestígio de evidência além do mero ato de fé no que os videntes nos dizem? De fato,  há.

O Professor Craig R. Lundahl, que escreveu muitos trabalhos sobre Experiências de Quase Morte, escreveu um artigo no The Journal of Near-Death Studies chamado “Uma Comparação de Outras Percepções do Mundo por Pessoas que tiveram Experiências de Quase Morte e pelos Videntes Marianos de Medjugorje. ”

Como o título sugere, o objetivo do artigo era comparar as visões da vida após a morte que os videntes de Medjugorje relataram com as visões da vida após a morte que milhares de pessoas que passaram por experiências de morte próxima relataram. A Experiência de Quase Morte constitui um encontro de outro mundo, onde uma pessoa que perdeu toda atividade cerebral, deixa seu corpo e acredita ter experimentado outra dimensão, um reino espiritual além deste. As descobertas do Prof. Lundahl, entre as visões de Medjugorje e as visões de quase-morte, foram bastante surpreendentes, vendo uma conexão clara entre os dois. Elas não estavam relatando diferentes realidades.

Começando com os videntes de Medjugorje, o que eles viram? Os três reinos da vida após a morte que foram mostrados foram descritos assim:

O céu, de acordo com os videntes de Medjugorje, é um lugar enorme de grandes luzes, beleza e imensa alegria. Prados, montanhas, colinas, belos campos estão todos presentes; As pessoas possuem uma luz interior, uma alegria serena irradia de sua presença. Purgatório é um lugar muito triste e deprimente. Um vidente descreveu-o como uma área enevoada com neblina cinzenta, na qual as pessoas podiam ser ouvidas tremendo, chorando, gemendo, e onde uma extrema solidão permeia a tristeza da atmosfera. O inferno é ainda mais perturbador. Os videntes o descreveram como um lugar vasto com muitas pessoas e um grande mar de fogo no centro. De acordo com os videntes, as pessoas no Inferno estão enfurecidas, amaldiçoando, feias, ocupadas com raiva interminável. Eles entram nos incêndios torturantes nus e saem horríveis, não mais em forma humana, em pele escurecida e enegrecida.

Continuando com o Prof. Lundahl e sua pesquisa, o que ele mostrou? Existem semelhanças?

De acordo com o Prof. Lundahl, os indivíduos que passam por Experiências de Quase Morte “descrevem a vida após a morte como consistindo em duas divisões principais com a possibilidade de uma terceira divisão”. A primeira divisão que o Prof. Lundahl analisou é a das “Cidades das Luzes”.  É imensamente semelhante ao que os videntes de Medjugorje descrevem como Céu. Numerosas pessoas que tiveram encontros perto da morte descreveram  estas Cidades da Luz. O Prof. Lundahl explica como os pacientes descreveram este reino:

“Esta divisão contém belas paisagens de montanhas, colinas, vales, campos de grama dourada e flores, prados, caminhos, trilhas, pistas, estradas, grandes florestas, riachos, ribeiros, rios, lagoas e lagos. A vida vegetal inclui grama, flores, árvores de todos os tipos, arbustos, e vegetais e jardins de flores. Há uma variedade de vida animal e insetos, como borboletas e abelhas. Edifícios como casas e alguns edifícios maiores também são encontrados nos campos. ”

Não só as descrições de Medjugorje eram semelhantes, e às vezes idênticas, ao falar de belas paisagens, montanhas, colinas e prados, mas também há similaridade na luz radiante que os videntes relataram experimentar no Céu. Eis o que o Prof. Lundahl descreve dessa luz radiante, como é experimentado em pacientes que passaram por encontros de quase-morte:

“As cidades da primeira divisão emanam luz. Por exemplo, quatro  pessoas descreveram o seguinte:

“(Meu guia) em seguida me levou para uma cidade. Era uma cidade de luz. Era semelhante às cidades na terra em que havia edifícios e caminhos, mas os edifícios e caminhos pareciam ser construídos de materiais que consideramos preciosos na terra. Pareciam mármore, ouro, prata e outros materiais brilhantes, só que eram diferentes. Os prédios e as ruas pareciam ter um brilho e brilhar. Toda a cena era de uma beleza indescritível … Havia um sentimento de amor e paz. Depois de subir durante um tempo, ele (o anjo) me sentou em uma rua em uma cidade fabulosa de edifícios feitos de ouro brilhante e prata e belas árvores. Uma bela luz estava em toda parte – brilhando, mas não brilhando o suficiente para me fazer esbugalhar os olhos.  … e então eu vi, infinitamente longe, muito distante para ser visível com qualquer tipo de visão que eu conhecia … uma cidade. Uma cidade brilhante, aparentemente interminável, brilhante o suficiente para ser vista de qualquer distância. Esse brilho parecia brilhar nas próprias paredes e ruas deste lugar, e dos seres que agora eu podia discernir movendo-se dentro dele. Na verdade, a cidade e tudo nela parecia ser feito de luz … A beleza do campo era incrível, mas mesmo que não poderia comparar com o esplendor da cidade por causa do brilho.

O segundo reino que o Prof. Lundahl descreve é chamado o Reino dos Espíritos Desnorteados. O Prof. Lundahl descreve “esta divisão como um ambiente sombrio, sombrio e hostil, onde milhões de pessoas infelizes e perversas que são cinzentas, atrapalhadas, confusas, miseráveis, angustiadas, aborrecidas, zangadas e parecem não se comunicar muito estão confinadas ate que possame resolver qualquer problema que eles tenham que parece mantê-los lá. ”

Novamente, neste reino, vemos muitas semelhanças com o que os videntes de Medjugorje descreveram como Purgatório: um ambiente escuro, sombrio e cinzento ocupado pela miséria, por almas infelizes e confusas. O Prof. Lundahl também se pergunta se o que os pesquisadores consideram como “o Reino dos Espíritos Desnorteados ” poderia constituir outra divisão, uma que é o Inferno. Pois ele reconhece que muitos que entram no Reino dos Espíritos Desnorteados descrevem isso como uma experiência infernal – alguns mais brutais do que outros. Ele cita um paciente que encontrou este reino:

“A próxima coisa que eu me lembro é ser sugado para baixo um vasto vórtice negro como um redemoinho e eu me encontrei em um lugar que só posso descrever como sendo como o Inferno de Dante. Eu vi um monte de outras pessoas que pareciam cinzas e tristes e havia um cheiro de mofo de apodrecimento. Havia uma sensação esmagadora de solidão sobre todo o lugar. ”

Embora os pesquisadores da Quase-Morte não separaram oficialmente o Reino dos Espíritos Desnorteados em duas divisões, o Prof. Lundahl sugere que tal separação pode ser necessária. Em outras palavras, muitos pacientes que encontraram um reino escuro e perturbador na vida após a morte podem, de fato, encontrar duas realidades diferentes, uma pior do que a outra. Casos como o relato de Don Brubaker, que vivenciou uma experiência infernal de morte próxima, ou o mais famoso caso de Howard Storm – cujo próprio encontro infernal de morte perto é lembrado em seu livro “Minha Descida Até à Morte” – apontam para a possibilidade de que existe um terceiro reino, ainda mais escuro e mais profundo do que o entendido como purgatório. Esse reino é o inferno.

“As observações dos videntes de [Medjugorje] no outro mundo sugerem a possibilidade de uma terceira divisão ou reino, do qual os pesquisadores de quase-morte ainda não estão cientes”, explicou o professor Lundahl.  “Essas observações dão apoio para um estudo mais aprofundado de experiências assustadoras para determinar se ou não aqueles  que viajam para um reino menos do que celestial podem estar indo para dois lugares separados em vez de um. Vários casos assustadores sugerem que esta poderia ser uma possibilidade. ”

O Prof. Lundahl concluiu que, em última instância, os videntes de Medjugorje tinham visões da vida após a morte “que correspondiam de perto às das pessoas que estivera experiência de morte”.

As consequências são graves. Este conhecimento é profundo porque nos leva a questões mais profundas e pessoais sobre nossos próprios destinos, sobre nossas próprias vidas. Quantos de nós irão para esses assustadores reinos do Inferno e do Purgatório em vez do Céu?

De acordo com os videntes de Medjugorje, a Virgem disse-lhes que hoje em dia a maioria das pessoas que morre vai para o Purgatório, o segundo maior número vai para o Inferno, e muito poucos vão diretamente para o Céu. Há esperança no fato de que, através das orações e jejuns dos que vivem na Terra, as almas do Purgatório podem ser purificadas e um dia chegar ao Céu. No entanto, as imagens perturbadoras do Purgatório nos mostram o quão doloroso é, no entanto, estar lá. Infelizmente, grande parte do mundo moderno abandonou a vida espiritual, realidades sobrenaturais como a vida no além, concentrando-se em nada mais que o atual domínio materialista, como se não houvesse nada mais. E as conseqüências, como mostra a morte, são fenomenais. Demasiado grandes para descrever.

Naquele dia de setembro passado, na Catedral de Santo Estêvão em Viena, a vidente Marija explicou melhor a situação:

“Temos tantas preocupações às vezes. Temos tantas ocupações … mas todos os dias vemos que Nossa Senhora quer que tenhamos mais da ajuda de Deus, e ela nos pede para encontrar um equilíbrio entre as coisas materiais e espirituais. Nossa Senhora diz que pensamos demais nas coisas mundanas … Ela disse que há tantas pessoas que não acreditam que haja Céu, Inferno e Purgatório. E através da mensagem que ela nos deu, ela disse que nossas vidas devem ser como uma flor, e que estamos aqui apenas de uma forma passageira. Somente a vida eterna não passa. Por isso ela nos urge, e nos pede, que pensemos mais na vida espiritual e no paraíso. Ela quer que pensemos no Inferno e no Purgatório. Ela disse que nossa vida será muito diferente, nossa atitude em relação à vida será muito diferente, quando pensamos na vida após esta. E ela disse que realmente entenderemos que esta vida está apenas passando como uma flor, e que aqui estamos neste mundo em um caminho de passagem. ”

Ir. Daniel Maria Klimek, franciscano, escritor e erudito.

Fonte: http://www.mysticpost.com/2016/11/medjugorje-the-hereafter-and-near-death-experiences-a-possible-connection/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *