PADRE FRANCISCO FLORES: A RESPOSTA DE DEUS PARA MIM VEIO ATRAVÉS DE MARIA EM MEDJUGORJE

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

A resposta de Deus para mim chegou através dos lábios de Maria (Padre Francisco Flores, Guadalajara, Messico)

Francisco Flores, engenheiro químico diplomado vindo do México, tornou-se sacerdotes. A resposta se teria ou não vocação foi-lhe fornecida por uma mensagem de Medjugorje.

Deus me deu o dom de nascer em uma terra muito católica na qual as pessoas amam muito a Bem-Aventurada Virgem Maria, Nossa Senhora de Guadalupe.

Nasci em uma família católica que me deu uma educação cristã, que me ensinou a rezar e a ir à Missa, mas penso que na minha família Deus em realidade estava muito distante. Em 1988, quando eu tinha 12 anos, os meus pais foram a Medjugorje. Tinham vindo com um casal mexicano que não era muito devoto.

Eles diziam que tinham confiança apenas em um sacerdote, padre Angulo, que vive no México. Enquanto estavam em Medjugorje, minha mãe disse à Nossa Senhora que gostaria de cantar em espanhol porque não compreendia o canto croata.

Imediatamente depois desta oração, entrou na Igreja um grupo de pessoas que começou a cantar em espanhol e naquele grupo estava padre Angulo, o único sacerdote que eles conheciam e confiavam!

Depois daquela peregrinação dos meus pais a Medjugorje, na minha família Deus tornou-se cada vez mais próximo, sempre mais vivo, começamos a rezar com o coração !

Eu tinha medo de me tornar sacerdote

Eu era muito jovem: ia à escola, jogava tênis e futebol, ia ao cinema e à discoteca, tinha muitos amigos… em uma só palavra eu me divertia muito! Me inscrevi na universidade – queria me tornar engenheiro químico – e no meio dos estudos a minha mãe me disse para ir a um retiro espiritual.

Durante aquele retiro espiritual pela primeira vez na vida pensei que poderia me tornar sacerdote, mas fiquei também assustado. Eu via que os missionários eram alegres e felizes mesmo não possuindo nenhum bem material: tinham Deus no coração.

Depois do retiro, me convidaram a continuar a ir lá para rezar, mas temia que pudesse me tornar sacerdote de verdade e eu queria uma namorada. Eu era muito tímido e antes nunca tinha tido uma namorada. Ficamos juntos um ano e meio: íamos à Missa juntos ao domingo e a Missa dos jovens era presidida por um jovem sacerdote e o coral cantava músicas que me lembravam o coral de Medjugorje no festival de jovens. E me voltavam os pensamentos sobre o sacerdócio…

Escutando aquele jovem sacerdote, algo no meu interior se identificava com ele: desejava ser como ele. De outro lado, eu recusava isto, tinha medo. Me lembro que do lado direito daquela igreja tinha uma estátua de Nossa Senhora. No final da missa sempre ia diante da imagem de Nossa Senhora e lhe dizia: “Ajuda-me, não sei o que fazer!”.

Decidi falar com minha namorada e dizer-lhe que estava pensando no sacerdócio. Ela me recomendou a falar com algum sacerdote: me amava, mas pensava que eu deveria falar sobre isto com alguém. Interrompemos o namoro, concluí os estudos de química e comecei a fazer discernimento sobre a minha vocação.

Retornei àqueles missionários onde estive uma vez para o retiro espiritual. Me prometeram ajuda no caminho da oração. A primeira decisão que tomei, com a ajuda de Deus, foi a de começar a rezar todos os dias e a aprender como ajudar os outros a rezar, mas ainda não sabia se seria engenheiro químico ou sacerdote.

A resposta que eu procurava

Em agosto de 1999 fui a um retiro espiritual de um mês. Durante aquele retiro escutei a Palavra de Deus, refleti sobre a minha vida e sobre a possibilidade de me tornar sacerdote. Refleti sobre como na vida me divertia bastante, pensava nos meus amigos, pensava na minha morte e compreendi como a minha vida era vazia e que eu deveria fazer alguma coisa. Uma noite estava na capela completamente sozinho.

Jesus estava no Tabernáculo e eu estava rezando para que me dissesse se queria que eu me tornasse sacerdote ou engenheiro químico. Ao meu lado tinha um livro de orações. Abri e encontrei uma foto de Nossa Senhora Rainha da Paz. Naquele tempo Nossa Senhora de Medjugorje era pouco conhecida no México.

Naquele momento me recordei da viagem dos meus pais a Medjugorje e de todas as bençãos que aconteceram depois daquela viagem. Atrás daquela foto de Nossa Senhora tinha uma uma mensagem.

Até ali não sabia que Nossa Senhora dava mensagens regularmente. No final daquela mensagem no folheto tinha a resposta de Deus, que me chegou através dos lábios de Maria em Medjugorje. Nossa Senhora sempre termina as suas mensagens com uma frase: “Obrigada por terem respondido ao Meu Chamado”. Disse a mim mesmo: esta é a resposta que eu procurava. No dia seguinte decidi a entrar no seminário.

Comecei a estudar teologia, continuei a rezar com a ajuda do meu diretor espiritual e a minha fé e meu amor a Cristo e à Eucaristia cresciam, assim como o meu amor e a minha devoção à Nossa Senhora. Vim pela primeira vez a Medjugorje em 2005, como seminarista. Pensava em participar do encontro mundial dos jovens na Alemanha, mas primeiro queria ir a Medjugorje.

Durante aquela viagem coloquei a minha vocação nas mãos de Nossa Senhora. Lhe disse: “ajuda-me a a cuidar da minha vocação, a perseverar, a ser sacerdote segundo a Vontade de Deus e, se me tornar sacerdote, que eu volte aqui para ajudar a confessar os Seus filhos”. Fui ordenado sacerdote da diocese de Guadalajara em 31 de maio de 2009, na solenidade de Pentecostes e na Visitação da Bem-Aventurada Virgem Maria.

Em 24 de junho de 2009, dia da primeira aparição de Nossa Senhora em Medjugorje, celebrei a primeira Missa. Já no dia seguinte celebrei Missa no estúdio de televisão católica mexicana “Mariavision”. Eles me convidaram a ir até Medjugorje para o festival dos jovens de 2009, um mês depois. Nunca pude nem mesmo esperar que Nossa Senhora tivesse me reconduzido tão rapidamente a Medjugorje.

Confessei, celebrei Missas e rezei. Ao retornar a Guadalajara o Bispo me pediu para ajudá-lo no trabalho com os seminaristas, com jovens que pensavam em vocação sacerdotal e que os ajudasse no discernimento de suas vocações. No ano passado o Bispo me mandou estudar em Roma.

Sabia que amava muito Nossa Senhora e me mandou estudar mariologia, algo que aceitei com muita boa vontade. No mês passado estive aqui no encontro internacional dos sacerdotes. Confessei muitos fiéis que sentiram a Misericórdia Divina e o Seu Amor.

A vocação sacerdotal vem de Deus. Jesus no Evangelho disse: “Não foi vocês que Me escolheram, mas Eu os escolhi”. Maria nos ajuda a compreender quando Deus nos chama. Na mensagem de 25 de novembro de 1997 Nossa Senhora disse: “Queridos filhos, hoje os convido, a compreender a sua vocação cristã. Filhinhos, Eu os guiei e os estou guiando neste tempo de graça, a fim de que vocês se tornem conscientes da sua vocação cristã”.

Este é um chamado específico: “Rezem, rezem rezem a fim de que os seus corações se abram e fiquem sensíveis à palavra de Deus”. Neste lugar bendito Nossa Senhora nos ensina a aprofundar a nossa vocação cristã. Convidarei todos os jovens que estão pensando em uma vocação sacerdotal a não terem medo de aprofundar tal reflexão.

Peçam a ajuda de Nossa Senhora para poderem responder SIM incondicionalmente ao Senhor. Desejo concluir com uma frase do Evangelho. Jesus olhou para a multidão perdida como ovelhas sem um pastor e disse aos Seus discípulos: “A messe é grande, mas os operários são poucos. Rezem para que o Senhor da messe para que mande mais operários para a messe” (Lc 10,2).

Traduzido do italiano por Gabriel Paulino – fundador do Portal Medjugorje Brasil – www.medjugorjebrasil.com.br

Fonte: “Glasnik mira”, Gennaio 2012, pagg. 30 – 31. ML Info da Medjugorje

Matéria original: http://medjugorjetuttiigiorni.blogspot.com.br/2015/06/la-risposta-di-dio-per-me-e-arrivata.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *