Testemunho da irmã Rastislava Ralbovsky

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

irnaratislava

Irmã Rastislava Ralbovsky pertence à província croata da ordem das Irmãs da Misericórdia da Santa Cruz, com sede a Đakovo. Ela deu início a peregrinação a Medjugorje para pessoas com deficiência que, em junho de 2015, acontecerá pela quinta vez. Durante o festival dos jovens de 2015, a irmã Rastislava falou da sua ligação com Medjugorje, onde veio pela primeira vez em 1981: “A maior parte das pessoas que vem a Medjugorje tem alguma necessidade particular ou intenções particulares.

Assim, também entre os jovens vindos em peregrinação comigo, alguns estavam em crise existencial pelos problemas familiares, dependentes químicos ou dificuldades psíquicas. Assim nasceu um grupo que se propõe de dar a eles um apoio.

Com o passar do tempo isto se desenvolveu, e agora está entre os programas aos quais dedicamos muita solicitude e amor. Em 1997, com a ajuda de frei Slavko, começamos a organizar peregrinações para pessoas com deficiência e, de lá até hoje,  todo ano estamos aqui. Agora, para alegria de todos, esta iniciativa tomou a forma de um encontro internacional.

É uma grande coisa que a paróquia de Medjugorje, através de um programa bem organizado, ofereça a estes peregrinos alojamento gratuito. Aqui, da Mãe, também nós com saúde aprendemos a recolher os valores destas pessoas, e tomamos consciência de que recebemos deles muito amor e alegria. Os paroquianos de Medjugorje, que hospedaram peregrinos com deficiência, testemunham que receberam mais do que deram. Trouxe a Medjugorje também outros grupos e tudo se desenvolveu como fruto de Medjugorje, em silêncio e sem publicidade.

Assim desejo dizer ajudar espiritualmente ? Comumente pensamos que desejo dizer que ajudar uma pessoa a abraçar a sua cruz, mas isto não è sempre possível. Por exemplo, com uma pessoa portadora de deficiência ou pessoas doentes psicologicamente, que tiveram um diagnóstico permanente, nós enfrentamos a situação que é difícil mudar. Certo, Deus pode sempre fazer um milagre, mas geralmente se trata de condições de vida que caracterizam, com as suas consequências, a existência completa. A cruz permanece sempre um mistério. Eu procuro fazer aquilo que aprendi de Nossa Senhora: estar próximo destas pessoas, lutar por eles mesmo quando não sei o que fazer por eles.

Criar para eles um espaço no qual se sintam amados e acolhidos e possam perceber a sua dignidade. Deus ama estas pessoas e não faz diferença entre eles e nós. Aquilo que tenho importante é fazer viver a esperança deles de serem amados; torná-los conscientes que, também se doentes, tem um valor e uma dignidade. É necessário fazer muito por eles. Nossa Senhora me ensinou que, também neste âmbito, é necessário levar aquilo que Jesus deixou para sua Igreja, a dimensão espiritual. Assim nasceu também o laboratório espiritual de São José, que reúne pessoas com dificuldades psíquicas, os seus pais e amigos.

Estamos também unidos ao movimento internacional “Fé e Luz” e a um grupo de apoio, que reúne jovens com dificuldades de vida de vários tipos, sobretudo psíquica. A ligação com este grupo nasceu espontâneamente e está se revelando muito proveitosa. Os jovens vem como voluntários e amigos para ajudar as pessoas com deficiência. É bom estar próxima das pessoas que sofrem”.

Traduzido do italiano por Gabriel Paulino – editor do Portal Medjugorje Brasil – www.medjugorjebrasil.com.br

Matéria original: http://www.medjugorje.hr/it/attualita/testimonianza-su-medjugorje-di-suor-rastislava-ralbovsky,7647.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *