Um testemunho de conversão em Medjugorje

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

PILGRIMS PRAY AROUND STATUE OF MARY ON APPARITION HILL IN MEDJUGORJE

Paolo De Polo, um peregrino de Treviso, Itália, de sessenta anos,  veio em peregrinação a Medjugorje. Este é a sua septuagésima segunda visita aqui, e por muitos anos, ele também traz aqui os peregrinos. Ele veio aqui pela primeira vez em 1990, tendo ouvido sobre Medjugorje de uma senhora no trabalho. O sr. De Polo testemunhou: “A primeira vez que eu vim com cinco pessoas. Então, eu não tinha sequer um passaporte. Eu cruzei a Eslovénia e nem sabia de onde ele era Medjugorje geograficamente. Quando, depois de uma longa noite dirigindo, cheguei em Medjugorje, eu fui à missa e, em seguida, também no Monte das Aparições, onde eu experimentei uma grande e profunda paz. No dia seguinte, fui a um encontro com o padre Jozo Zovko e ouvi os seus ensinamentos, ele falou de Nossa Senhora. De fato, durante a catequese, fiz um exame de minha vida e eu vim a entender que eu não era um cristão, apesar do fato de que eu ia à missa todos os domingos e eu tinha um bom relacionamento com a minha família, no trabalho e com os amigos . Então eu fui para a confissão e, a partir dessa confissão, veio para mim uma profunda paz. Compartilhei com amigos a minha experiência de conversão depois da minha primeira viagem a Medjugorje. Após o meu regresso  de Medjugorje, eu comecei a ir à missa todos os dias e senti em meu coração que eu queria voltar aqui “, disse o Sr. De Polo, que, então, voltou a Medjugorje com sua família e na companhia de um padre como diretor espiritual. “Durante esta peregrinação eu conheci o meu amigo Piero, que foi um grande professor na organização de peregrinações, além de receber a grande graça de começar a orar com minha esposa e de ir à missa com ela. Voltei para Medjugorje dois meses depois. A guerra tinha começado. O sr. Piero recebeu a notícia de que em um lugar perto de Split, havia quinze mil refugiados que não tinham nada para comer. Ele havia me dito que tínhamos de organizar e ajudar as pessoas. Eu entendo que a Divina Providência existe, porque fomos capazes de recolher dinheiro suficiente em apenas uma semana. Então, nós organizamos o primeiro container com ajuda humanitária. Eu vi como Nossa Senhora encontrava a pessoa certa no lugar certo. Depois, enchemos trinta containers de ajuda. Depois da guerra, eu senti a necessidade de vir a Medjugorje e eu prometi para espalhar a mensagem de Nossa Senhora. Assim, desde então, eu enviei mais de quatro e-mails e faxes, bem como difundi as mensagens em folhetos de papel. Então eu descobri que, mesmo em Treviso há uma Capela da Adoração. Comecei a ir lá todos os dias e, ao longo do tempo, graças à grande ajuda fornecida pelo Bispo, eu comecei a Adoração continua. Então, eu senti que tinha que trazer as pessoas em Medjugorje. Todos os anos organizamos dois grupos de peregrinos e, após a peregrinação, continuamos nossa jornada espiritual. Todos os sábados, nós fazemos 24 horas de adoração, incluindo o uma noite enquanto às quintas-feiras temos três horas de oração: Missa, Rosário e Adoração. Tudo isso é fruto de Medjugorje “.

Traduzido para o português por Gabriel Paulino – editor do Portal Medjugorje Brasil – www.medjugorjebrasil.com.br

Fonte: http://www.medjugorje.hr/it/attualita/un%E2%80%99esperienza-di-conversione-dopo-il-primo-incontro-con-medjugorje,6900.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *