O Vaticano tem Protegido Vigorosamente Medjugorje

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

medjugorjevaticano

O Vaticano tem Protegido Vigorosamente Medjugorje: Tanto o Bispo (local) Zanic quanto o Bispo Peric Foram Destituídos da Autoridade Oficial e Superados no Julgamento Negativo

 4 de março de 2017 Stephen Ryan

O Vaticano não estava alheio a esses eventos ou às várias declarações públicas do bispo. Embora sempre prudente e cauteloso em relação a lidar com as ações de um bispo, Roma, no entanto, agiu com força nesta questão. Em 1986, o bispo apresentou um julgamento negativo ao Cardeal Ratzinger, Prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé no Vaticano e  futuro Papa Bento XVI. O cardeal Ratzinger rejeitou as conclusões e depois removeu o bispo Zanic de sua posição como superintendente da investigação, dissolvendo a comissão do bispo. A Conferência Episcopal Iugoslava ficou então responsável pela supervisão do assunto.

 

As atitudes do Cardeal Ratzinger foram extraordinárias. Nunca, na história das aparições marianas relatadas, a hierarquia da Igreja interveio de maneira tão autoritária, ignorando a declaração de um bispo local e removendo-o da responsabilidade de supervisionar o caso.

O Bispo Zanic foi eventualmente substituído pelo Bispo Peric, um monsenhor que foi recomendado por Zanic por causa de sua oposição a Medjugorje. O Bispo Peric escreveu uma carta pessoal declarando sua posição de que nada sobrenatural estava ocorrendo em Medjugorje (a terceira designação). Mas, para não levar os fiéis a acreditarem que tal declaração era uma posição oficial da Igreja, o arcebispo Tarcisio Bertone, secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, presidida pelo cardeal Ratzinger, escreveu em uma carta ao bispo de Saint-Denis de la Reunion que “o que o bispo Peric disse em sua carta … é e permanece sua opinião pessoal.” Assim, ninguém iria considerar a declaração do bispo Peric como qualquer tipo de declaração oficial da Igreja. Era para ser vista apenas como uma opinião.

Situação de Medjugorje

Parte 1

Muitos católicos têm perguntado qual é a situação de  Medjugorje na Igreja – se já foi oficialmente aprovada ou condenada. Como todas as aparições, a Igreja não dará total aprovação até que as aparições relatadas tenham cessado. Enquanto isso, as pessoas muitas vezes estão curiosas para saber que fórmula a Igreja usa em sua investigação para determinar se uma aparição é genuína.

 

A Igreja procura três elementos de informação na avaliação de uma aparição:

 

As mensagens estão em conflito com a Escritura ou Tradição?

Há algo sobrenatural ocorrendo no local ou como resultado das aparições?

Existem bons frutos de conversão e arrependimento vindo do lugar?

Com respeito à primeira pergunta, muitos teólogos notáveis e autoridades oficiais da Igreja viajaram para Medjugorje para julgar a autenticidade das mensagens. Um dos mais respeitados teólogos foi o Pe. Rene Laurentin. Laurentin é amplamente reconhecido como um dos maiores teólogos do século XX e é autor de mais de 150 livros e 1.000 artigos acadêmicos sobre teologia, exegese bíblica e aparições marianas. Seu livro Está a Virgem Maria Aparecendo em Medjugorje? Tornou-se uma base para aqueles que optam por entender os eventos mais claramente. Ele afirma em seu livro após uma investigação teológica completa das atividades e mensagens que “não há problemas doutrinais em Medjugorje”.

Outro teólogo, Pe. Michael O’Carroll, estudou os eventos e concluiu que as mensagens eram completamente ortodoxas. Seu livro Medjugorje: Fatos, Documentos, Teologia, incluía a declaração de que “depois de ter estudado os fatos de Medjugorje em livros e [em Medjugorje], estou inteiramente convencido da autenticidade dessas aparições” [2]. Ele também cita os trabalhos do Pe. Laurentin e declara que o famoso teólogo concluiu “Existe uma ortodoxia doutrinária notável …”  Finalmente, numa entrevista com o jesuíta Pe. Richard Foley, Hans Urs von Balthasar, primeiro destinatário do prêmio Paulo VI de teologia e um gigante do século XX em Mariologia, afirmou para registros: “A teologia de Medjugorje soa verdadeira. Estou convencido de sua verdade “.

 

Apesar destes pronunciamentos de teólogos famosos, o responsável local, Dom Zanic, que era originalmente a favor das aparições, mais tarde ficou contra. Ficou tão hostil que o arcebispo da diocese vizinha, juntamente com outros altos dignitários, o encorajou a se conter na linguagem mais forte possível entre os bispos. Hans Urs von Balthasar escreveu ao bispo: “Meu Senhor, que documento lamentável você enviou por todo o mundo! Fiquei profundamente ferido ao ver o cargo episcopal degradado desta maneira “. Ele continuou dizendo que Zanic estava “levantando acusações que foram refutadas centenas de vezes. O Vaticano também entrou em cena. Um comunicado do gabinete do Secretário de Estado do Vaticano, de abril de 1985, disse a Zanic, em termos inequívocos, “para suspender a difusão das declarações pessoais”.  Não foi coincidência que o Vaticano denominou os comunicados do bispo de natureza meramente “pessoal “.

Pareceu que o bispo Zanic, embora vinculado pela obediência, não ouviu. Sua animosidade, alguns sentiram, começou a passar de descaridosa para perturbadora. Em uma entrevista incrível, o bispo Zanic sugeriu que todo o fenômeno era sobre padres gananciosos tentando coletar dinheiro. Ele chegou mesmo a dizer que a razão pela qual ele sentia que deveria se opor às aparições era porque todos os outros haviam sido subornados. “É tudo uma questão de dinheiro”, declarou a Sacerdos, o jornal diocesano de León, no México. “Eles [os franciscanos] estão coletando enormes somas de dinheiro e compram jornalistas, compram teólogos, compram propaganda, compram tudo”.

O Vaticano não ficou indiferente a esses eventos ou as várias declarações públicas do bispo. Embora sempre prudente e cauteloso em relação a lidar com as ações de um bispo, Roma, no entanto, agiu com força nesta questão. Em 1986, o bispo apresentou um julgamento negativo ao Cardeal Ratzinger, Prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé no Vaticano e ao futuro Papa Bento XVI. O cardeal Ratzinger rejeitou as conclusões e depois removeu o bispo Zanic de sua posição como superintendente da investigação, dissolvendo a comissão do bispo. A Conferência Episcopal da Iugoslávia recebeu a responsabilidade de supervisionar o assunto.

 

As ações do Cardeal Ratzinger foram bastante extraordinárias. Nunca, na história das aparições marianas relatadas, a hierarquia da Igreja interveio de maneira tão autoritária, anulando a declaração de um bispo local e removendo-o da responsabilidade de supervisionar o caso.

Entretanto, em 28 de novembro de 1990, a Conferência Episcopal Iugoslava enviou uma Carta privada a Roma afirmando que Medjugorje deve ser estudada mais,  sem aprovação ou condenação. Muitos dos fiéis chegaram a acreditar que a carta da Conferência Episcopal significava que nada sobrenatural estava acontecendo e, portanto, Medjugorje seria fechada. Mas na verdade, a determinação significou que a pergunta permaneceria aberta e um estudo mais detalhado seria feito. Nas palavras do Cardeal Kuharic, presidente da Conferência Episcopal, “Deixamos, portanto, este aspecto para uma investigação mais aprofundada. A Igreja não tem pressa.” No entanto, Medjugorje devia ser aceita pelos fiéis” como um lugar de oração, como um santuário “.

Em 1991, Dom Franc Perko, Arcebispo de Belgrado, declarou:” Não é verdade que [ a declaração significa que] “nada de sobrenatural está acontecendo em Medjugorje”. Ele acrescentou que a comissão “está aberta a novos desenvolvimentos”.

O bispo Zanic foi eventualmente substituído pelo bispo Peric, um monsenhor recomendado por Zanic por causa de sua oposição a Medjugorje. Bispo Peric escreveu uma carta pessoal declarando sua posição de que nada sobrenatural estava ocorrendo em Medjugorje (a terceira designação). Mas, para não levar os fiéis a acreditarem que sua declaração era uma posição oficial da Igreja, o arcebispo Tarcisio Bertone, secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, presidida pelo cardeal Ratzinger, escreveu em uma carta ao bispo de Saint-Denis de la Reunion que “o que o bispo Peric disse em sua carta … é e permanece sua opinião pessoal.” Assim, ninguém iria considerar a declaração do bispo Peric como qualquer tipo de declaração oficial da igreja.

Deve ser observado que muitas pessoas acreditam erroneamente que a aprovação de um local de aparição é do exclusivo critério do bispo da diocese. Na realidade, este não é o caso. Segundo o Cardeal Ratzinger (antes de ser eleito Papa), Roma não intervém com a investigação de uma aparição por um bispo se o fenômeno é pequeno ou considerado “local”. “Se temos apenas um fenômeno local, não é necessário que o Vaticano intervenha ,” ele disse. Em situações de maior importância, no entanto, o Vaticano irá confirmar ou refutar a decisão do bispo com sua própria declaração.

Se alguém está curioso para saber o pensamento por trás do Papa Bento XVI, enquanto ele ainda era Papa no que diz respeito a Medjugorje, é evidente que como cardeal Ratzinger ele foi fundamental para salvar Medjugorje da animosidade do bispo local. Mas talvez seu favoritismo em relação a Medjugorje possa ser melhor resumido por uma declaração dada por ele na Áustria em 28 de agosto de 1991. “Este lugar”, disse ele sobre Medjugorje, “que se tornou um lugar de oração e fé, deve permanecer e vir a estar mais e mais em  unidade com toda a Igreja” .

Matéria original: http://www.mysticpost.com/2017/03/vatican-forcefully-protected-medjugorje-bishop-zanic-bishop-peric-stripped-official-authority-overruled-negative-judgement/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *