MEDJUGORJE: IMPRESSÕES DE UM JORNALISTA PROTESTANTE 25 ANOS DEPOS Abr03

Tags

MEDJUGORJE: IMPRESSÕES DE UM JORNALISTA PROTESTANTE 25 ANOS DEPOS

Peregrinações para Medjugorje

 

vickarindo

 28 de março de 2017 Stephen Ryan

 Enquanto o Vaticano envia outro enviado papal ao polêmico santuário de Medjugorje na Bósnia, um jornalista britânico recorda sua primeira viagem lá na década de 1980.

Marcus Tanner  – originalmente publicado no Balkan Insight London

Outro enviado papal está ao caminho para a cidade de peregrinação bósnia de Medjugorje, levantando esperanças – e temores – entre os devotos e opositores deste santuário controverso.

Cerca de 30 anos atrás, a minha primeira missão jornalística estrangeira levou-me ao que era então uma humilde aldeia.   Não havia nenhum aeroporto então, nenhum hotel enorme e nenhum comboio através das ruas estreitas a enchê-las com a poeira e o ruído.

Não havia nenhum bar irlandês com sinais apontando para Dublin e não muito sinal dos milhões de peregrinos que estavam prestes a descer neste canto remoto dos Balcãs nos próximos anos.

Naqueles dias, se você não fazia parte de uma excursão paroquial organizada, voava para Split na Croácia, pegava um ônibus árduo para Mostar e, em seguida, outro ônibus para Medjugorje.

Na estação de ônibus de Mostar, o vendedor de bilhetes me deu um olhar malévolo quando eu disse que estava indo para Medjugorje. Comunista fanático? Muçulmano anti-católico – ou sérvio? Quem sabe, mas certamente não me desejou boa viagem.

Séculos depois, ou assim parecia, eu estava caminhando ao longo de uma estrada empoeirada em uma aldeia, dominada pelos pináculos brancos reluzentes da igreja franciscana.

Encontrei vaga não em um hotel – não eram muitos então – mas em um chalé com uma família local bósnio-croata. Deitei-me na cama, no calor, no andar de cima, ao anoitecer, ouvindo o murmúrio de todos dizendo o Rosário na cozinha.

Naqueles dias, os seis videntes não eram pessoas remotas vivendo em casas fechadas, vislumbradas de plataformas distantes. Você os via na rua. Se você quiser conhecer Vicka, foi-me dito, basta aparecer em sua casa e bater na porta lá pelas 11 hs. E assim eu fiz, com um pequeno grupo de outros peregrinos.

Vicka emergiu na soleira da porta em chinelos enquanto nos reuníamos em um semicírculo, gritando perguntas para ela. Como eu escrevi naquela época, ela abordou essas, muitas vezes complexas, investigações teológicas com a certeza de Tomás de Aquino.

Uma mulher que viera do México perguntou em lágrimas se Vicka poderia intervir junto a  Nossa Senhora para curar seu câncer. Vicka balançou a cabeça com pesar, explicando que isso era inútil; Nossa Senhora ouvia as orações de todos os seus fiéis, aparentemente, assim, se ela quisesse interceder, ela o faria.

Alguém queria saber se o inferno existia e, se isso acontecesse, poderíamos tirar a maldição com nossas orações? As respostas foram “Sim” e “Não”, respectivamente.

Uma terceira pergunta. Vicka vislumbrara o purgatório e como era? Novamente, sem hesitação. As respostas foram “Sim” – e era de cor amarela. Assentimos com a cabeça;

Com isso, Vicka virou-se em seus chinelos de coelho e recuou dentro de casa, aguardada por sua mãe ansiosa. O público estava acabado.

Naquela noite, juntamente com os meus companheiros de peregrinação, subimos com dificuldade até ao Monte das Aparições, seguindo os passos de um casal croata bosniano incrivelmente bonito, 20 cm mais alto do que o resto de nós, a mulher acenando com uma tocha para não tropeçarmos as rochas.

Foi lá que eu entendi alguma coisa de como os santuários “funcionam”.

Todos nós estávamos vagamente esperando que algo acontecesse, mesmo eu, o bizarro protestante, mas depois de meia hora de pé ao redor, nós lamentavelmente concluímos que nada iria perturbar a escuridão e começou nossa descida.

Estávamos a meio caminho da colina quando uma professora americana do Texas de repente parou-nos. “Esperem”, eu me lembro dela anunciando. “Eu acho que eu vi algo lá em cima, uma espécie de luz dançando!”

Houve uma ingestão coletiva de alívio respiratório. Então, havia um milagre depois de tudo! Nós apenas não tínhamos  olhado na direção certa!

Voltei a Medjugorje 25 anos depois, a pedido de uma revista católica, e encontrei a minha aldeia sonolenta transformada numa cidade movimentada. As mensagens de Maria agora brilharam em várias línguas, incluindo o árabe, em um gigantesco painel eletrônico no centro da cidade e dificilmente poderia cruzar a estrada para os que chegavam e saíam sem parar. O chalé em que eu tinha ficado tinha desaparecido sob o concreto.

Definitivamente, não havia chance de encontrar Vicka na rua agora.

No ano passado, os sacerdotes de Medjugorje distribuíram 1,6 milhão de hostias de comunhão, um recorde de 2 milhões a mais que 2011.

Alguns dos que recebem comunhão foram diariamente aos altares, de modo que o número exato de peregrinos anuais é difícil de estimar. Mas, segundo estimativas de qualquer pessoa, deve chegar a mais de meio milhão por ano, se não mais, tornando-se um dos santuários mais movimentados da Europa, se  não do mundo, ao lado de Lourdes na França, Fátima em Portugal e Praça de São Pedro em Roma.

Como não gostar, a menos que você seja um ateu dedicado que se ressente da idéia de alguém obter algo da religião?

Infelizmente, para o Vaticano, a resposta é muito, e é por isso que Medjugorje é uma bênção e uma dor de cabeça onipotente para a Igreja Católica e para o Papa – agora mandando outro enviado ao santuário sob a forma de um bispo polonês.

O problema é uma antiga disputa territorial. O Vaticano tem sido sempre desconfortavelmente ciente de que os videntes de Medjugorje são, em alguns sentido, os fatores de uma luta pelo controle sobre a Igreja Católica na Herzegovina entre os bispos e a Ordem Franciscana.

É uma luta desde a década de 1870, quando os austríacos assumiram a Bósnia e em 1881 reintroduziram uma hierarquia episcopal depois de séculos de governo otomano muçulmano durante o qual a Ordem Franciscana tinha cuidado do rebanho católico em Herzegovina por conta própria.

A reaparição repentina de bispos, efetivamente nomeados pelo imperador austríaco – que exigiram controle sobre as paróquias franciscanas – foi profundamente ressentido e inflamou uma guerra de território que nunca realmente terminou. Até hoje, os bispos da cidade vizinha de Mostar são os adversários mais amargos do que acontece em  Medjugorje, tendo a hostilidade do bispo Zanic sido levada a cabo por seu atual sucessor, o bispo Peric.

Eu testemunhei isso de primeira mão quando, depois de deixar Medjugorje naquela primeira visita, bati na porta da residência do bispo em Mostar. Zanic concordou gentilmente em conversar, mas quando eu perguntei sua opinião sobre os seis videntes, ele foi surpreendentemente franco. Mostrando seis dedos em duas mãos, ele entoou: “Mentiroso, Mentiroso, Mentiroso, Mentiroso, Mentiroso Mentiroso!” Fiquei chocado e impressionado ao mesmo tempo. Tenho que dizer dos povos dos Balcãs – eles não fazem feudos pela metade.

O Bispo Peric falou muito mais diplomaticamente, mas não menos inflexível. Em fevereiro, escreveu no site diocesano de Mostar: “Pode ser pacificamente afirmado: Nossa Senhora não apareceu em Medjugorje!”

Mas o problema do Vaticano com Medjugorje não é apenas uma chata guerra na Bósnia entre duas alas da mesma igreja. O outro problema é teológico. A Igreja Católica está aberta à ideia de Maria aparecendo de vez em quando para vivificar os corações dos fiéis, mas a idéia geral é que ela aparece e vai embora. Em Medjugorje, no entanto, Ela tem aparecido dia após dia, ano após ano, e por agora tem aparecido literalmente milhares de vezes para os videntes.

Para até mesmo os mais devotos marianos na Igreja, esta é uma ideia difícil de engolir. Além disso, a afirmação de que Maria transmitiu vários “segredos” aos videntes alarma muitos teólogos.

O famoso e reconhecido santuário de Fátima também está associado a “segredos” – mas Fátima foi reconhecida por Roma – declarada “digna de crença” – em 1930, quando o clima era muito diferente.

Há quase um século, a Igreja está muito menos confortável com a noção de que a mãe de Jesus confiava segredos sobrenaturais a videntes, especialmente se, como alguns temem, segredos revelam-se apocalípticos.

Para Francisco, entretanto, falou com desdém da Virgem de Medjugorje, mais de uma vez. “Ela não é um carteiro, enviando mensagens todos os dias”, disse sarcasticamente em 2015.

No entanto, os críticos do fenômeno Medjugorje não devem prender a respiração. O Papa está em seus oitenta e não estará lá para sempre, e, o que quer que pense do santuário, os milhões dos católicos há muito o adotaram como uma parte integrante de sua fé. Quando eu revisitei o santuário alguns anos atrás, conheci pessoas que vinham voltando todos os anos durante décadas. Francisco pode detê-los? Eu duvido.

Há outro fator, também. A Igreja sente cada vez mais que tem suas costas contra a parede na Europa nestes dias, sob um ataque em duas frentes de ambos os muçulmanos e secularistas. Será que ela realmente pode dar ao luxo de colocar um amortecedor no centro mais ativo de devoção católica em todo o continente?

É tarde demais para a Igreja rebobinar a fita e reverter a história de Medjugorje. Os católicos de mentalidade moderna, sensíveis à idéia de Maria divulgar seus segredos diariamente para os agora videntes de meia-idade na Bósnia, terão apenas que viver com ela.

Como para o Vaticano, que certamente tem pouca opção, para encontrar algum meio caminho entre ” Reconhecendo as aparições como autênticas e aceitando Medjugorje como um lugar consagrado pela devoção.

Parece significativo que o novo enviado do Vaticano, Dom Henryk Hoser, não esteja lá para julgar a autenticidade das visões, mas apenas para” estudar as necessidades dos fiéis que vão lá em peregrinação “. Se isso não é uma aprovação discreta para Medjugorje de Roma, eu não sei o que é.

Marcus Tanner é um editor de Balkan Insight..

Traduzido do inglês por Ehusson Chequer – tradutora do Portal Medjugorje Brasil – http://www.medjugorjebrasil.com.br

Matéria original: http://www.mysticpost.com/2017/03/pope-cant-stop-medjugorje-now-asked-vicka-glimpsed-purgatory-look-like-answers-yes-coloured-yellow/

Fique atualizado!

Junte-se a 20.000 leitores e receba notícias e mensagens de Medjugorje em seu e-mail gratuitamente.

Mestre em informática e responsável pela edição do site. Após grandes graças recebidas pela Rainha da Paz, sentiu-se chamado a divulgar as mensagens que Nossa Senhora nos envia através deste santo lugar. Me siga no Google+.