Bispos do mundo reconhecem os frutos de Medjugorje

Compartilhe!

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Bispos Católicos Falam …

Poderoso Testemunho sobre os Frutos de Medjugorje … “Ninguém pode negar – mesmo que haja, de fato, aqueles que tentam fazê-lo – que o movimento espiritual da Rainha da Paz é uma realidade viva dentro a Igreja”

 18 de setembro de 2016 Stephen Ryan

Queridos Amigos,

franefranic
Bispo Frane Franic

Esta carta é uma expressão da profunda afeição que nos une à mensagem de Medjugorie! Sabendo que muitas pessoas (bispos, sacerdotes, religiosos e leigos) com gratidão testemunham os abundantes frutos espirituais desta mensagem, gostaríamos, por meio desta carta, torná-los participantes em um testemunho em grupo.

Este testemunho deve contribuir para a defesa do trabalho de Maria, uma obra que está espalhada por todo o mundo e que continua a ser ameaçada em muitos lugares.

Ninguém pode negar – mesmo que haja, de fato, aqueles que tentam fazê-lo – que o movimento espiritual da Rainha da Paz é uma realidade viva dentro da Igreja, sustentado por um espírito de oração, e não por iniciativas humanas.

Este rio de luz, de vida, de paz e de amor pela Mãe de Deus gerou grupos de oração em todos os lugares, tem inspirado conversões e continua a curar e consolar os corações de todos os fiéis que encontraram na simplicidade da mensagem da Rainha da Paz um caminho autêntico para redescobrir o Evangelho e voltar para o coração da Igreja.  Agora já não é possível mais contar as conversões que aconteceram em Medjugorie, e graças a essa mensagem muitos que haviam deixado a Igreja, retornaram e muitos outros aprenderam a amar a Igreja mais.

A sentença definitiva ainda não foi dada pela autoridade eclesiástica competente sobre essas aparições, que começaram em 1981 e ainda estão ocorrendo. É um fato inegável que o movimento espiritual formado pelas mensagens da Rainha da Paz é um dos maiores e mais autênticos movimentos de oração neste século XX. É um movimento que vive na Igreja e para a Igreja, porque inclui os fiéis, o clero, religiosos e bispos, os quais deram e continuam a dar de várias maneiras testemunho público dos inúmeros benefícios espirituais que Medjugorie trouxe para a vida dos fiéis, não sendo o mínimo,  o retorno a uma vida de oração.

Dezenas de milhões são os peregrinos que se reuniram em Medjugorie para orar. Milhares são os sacerdotes e centenas os bispos que já celebraram a Missa lá e ouviram durante horas as confissões dos penitentes que foram transformados pela graça maternal da Virgem Maria. Muitos regressaram à sua Diocese dando um testemunho unânime: ” As pessoas convertem-se em Medjugorie”.  Essas conversões clamam a atenção dos pastores, porque estas são “conversões duradouras”. Não se pode contar o número de pessoas que experimentaram a presença de Maria lá, assim como não se consegue mais contar as histórias de conversões pessoais, de curas espirituais e físicas, de vocações ao sacerdócio e à vida consagrada nascidas da graça de Medjugorie. Estes são alguns dos frutos espirituais principais que levaram muitos a concluir que a Rainha da Paz está verdadeiramente presente em Medjugorie e que sua presença explica a muito rápida difusão do movimento de oração ligado a ela em todo o mundo.

Dioceses, paróquias, ordens religiosas e institutos, seminários e mosteiros, escolas e locais de trabalho, lares, e muitos outros lugares na Igreja e no mundo foram tocados pela graça de Medjugorie, pela presença – acreditamos nisso juntos com muitos outros – da Rainha da Paz, que apareceu lá pela primeira vez em 24 de junho de 1981 e continua a fazê-lo neste momento. Esta presença materna nos lembra do que aconteceu em Guadalupe, em Lourdes e em Fátima. Estes e outros locais de aparição mariana eram como desertos espirituais no início, mas, em seguida, após a visita maternal de Maria, a vida floresceu, a esperança voltou, o perdão foi pedido, e a paz voltou.

Algumas pessoas tentam desvalorizar a realidade espiritual da Medjugorie, dizendo: “Há conversões em todos os lugares onde as pessoas oram.” Por que então as pessoas hoje oram cada vez menos em suas paróquias, nos seminários, em suas escolas, nas fábricas e em suas famílias? Por que as pessoas oram tanto em Medjugorie? Como é possível que a pequena paróquia franciscana de uma pequena aldeia pode tornar-se para todo o mundo uma grande e eficaz chamada para a oração?

De acordo com a convicção de muitos, este oásis de paz tornou-se, pela graça de Deus, um dos lugares de culto mariano na Igreja, onde as pessoas oram a mais e onde nós nos convertemos. Ao dizer isto nós certamente não estamos exigindo que seja necessário acreditar nas aparições de Medjugorie, mas nós simplesmente desejamos dar um testemunho pacífico, respeitando plenamente aqueles que pensam diferentemente.

Nenhuma heresia tem crescido sobre a árvore de Medjugorie. Tampouco os peregrinos foram forçados a quaisquer formas de pensar ou se comportar contrários à moral católica ou liturgia ou os sacramentos. Também não tem nenhum ensinamentos sido dado que escandalize os fiéis, como tem acontecido, infelizmente, em outros lugares. Lamentamos dizer isso, mas uma causa de muito sofrimento é a atitude daqueles que condenam Medjugorie, deixando muitos fiéis confusos e desorientados. Apenas no ano passado muitas reivindicações ambíguas e distorções foram espalhados por certas publicações, alegando que a Igreja condenou oficialmente as aparições, ou pelo menos que há sérias suspeitas que lhes dizem respeito.

Devido a isso, Dr. Navarro Valls, o porta-voz oficial do Santo Padre, teve de intervir em agosto de 1996, para confirmar que “a respeito de Medjugorie não houve nenhuma mudança.” Este pronunciamento oficial tornou-se necessário a partir do momento que publicações foram enviadas em todo o mundo afirmando que o Vaticano tinha proibido peregrinações a Medjugorie. Exatamente essa afirmação providencial do Vaticano, em vez de proibir as peregrinações, reafirmou que qualquer pessoa pode ir em peregrinação privada para Medjugorie, isto é, que os leigos podem continuar a organizar as suas peregrinações a este lugar de oração.

A Rainha da Paz veio à Bósnia-Herzegovina não para semear a discórdia ou para causar discussões no seio da Igreja, mas para levar uma mensagem de paz e de reconciliação para os povos que alguns anos mais tarde viriam a ser atirado para o inferno de uma guerra que causaria massacres  em seus países em um curto espaço de tempo. Sua voz estava gritando como em um deserto. Ela veio para advertir, admoestar, e rogar a seus filhos, que, sem uma conversão do coração, não era possível obter a verdadeira paz.

Referindo-se a este extraordinário trabalho mariano de reconciliação, o então arcebispo de Split, monsenhor Frane Franic disse, “A Rainha da Paz de Medjugorie fez mais em seis anos de aparições do que nós, Bispos, em quarenta anos de trabalho pastoral.” Durante a guerra, estas palavras do Arcebispo Franic ressoaram mais verdadeiras do que nunca. A mensagem profética dada pela Rainha da Paz também ressoou com mais força do que nunca, porque as bombas que caíram em todo Medjugorie não atingiram esta fraca, vulnerável e desarmada aldeia. Repentina e dramaticamente entendemos que a chamada celestial de Medjugorie não tinha sido suficientemente acreditada ou atendido.

Medjugorie é semelhante a Kibeho, África, onde a Virgem apareceu também para alertar e chamar os corações de seus filhos à conversão antes que fosse tarde demais. Alguns anos mais tarde uma tremenda guerra civil veio a esta população africana como um golpe apocalíptico. Medjugorie também é semelhante a Fátima, onde Maria falou com três pastorzinhos, que apesar de hoje serem altamente elogiados, foram grandemente prejudicados em seus dias.

A Rainha do Rosário já tinha falado com eles em 1917 sobre a vinda de uma guerra maior do que a primeira, e de um castigo que a Rússia iria trazer sobre o mundo inteiro, se a humanidade não se convertesse e consagrasse ao seu Coração Imaculado. Infelizmente para a mensagem de Medjugorie, que fala de paz e conversão assim como a mensagem de Fátima, o caminho na Igreja não é fácil, tendo o mesmo destino que o dos profetas: muitas conversões, mas também muitas perseguições, muitas graças, mas também muitas lutas. Tal como acontece com os profetas, só depois de muito sofrimento e tribulação a humanidade vem a compreender verdadeiramente a importância da mensagem.

Há realmente muitos  entre os bispos, o clero e os fiéis de todo o mundo que já reconheceram esta mensagem mariana vinda do leste como um autêntico advertência maternal à conversão, e muitos consideram que esta é uma das mensagens mais frutíferas para a Igreja no século XX.

À luz da guerra e desespero do passado recente, não podemos deixar de ser movidos por esta mensagem profética de esperança e de paz. Não é claro que existe um laço entre a guerra devastadora que explodiu na Bósnia-Herzegovina e a mensagem edificante de Medjugorie? A guerra destrutiva não derrotou o lugar que Deus escolheu para espalhar esta mensagem extraordinária da paz e da conversão. Hoje Medjugorie, pela graça de Deus, está mais bela e resplandecente do que nunca!

É uma mensagem que ecoou até os cantos mais distantes do oriente – altura em que ainda estava separado do ocidente – a encher de esperança os corações dos fiéis de todas as nações através do dom da Páscoa de paz. “Paz, Paz, Paz.” Estas palavras proferidas pela Rainha da Paz são mais relevantes hoje do que nunca.

Medjugorie mais uma vez testemunha na Igreja o papel de Medianeira e Advogada o qual a “mulher vestida de sol” foi dada pela vontade de Deus para a história da salvação. Ela foi capaz de trazer o oriente mais perto para o ocidente, e não por meio da diplomacia, mas através da oração e reconciliação, através da poderosa proclamação do Evangelho que Medjugorje nos lembra: o amor pela Cruz de Cristo é o único caminho para vencer o mal. Chamar a atenção para estas questões é um dever de consciência em relação às mensagens de Medjugorje.

É exatamente em função desses “sinais dos tempos” que parece tão urgente para nós voltar para as mensagens da Rainha da Paz, contemplá-las e vivê-las com novo entusiasmo. São mensagens simples, e elas também parecem ser repetitivas, mas contêm o premente apelo de uma mãe que nunca deixou de fazer ouvir a sua voz no decorrer dos séculos. Sua voz e presença materna tem advertido os povos, nos chamado de volta às verdades essenciais proclamadas pela Igreja, e, por fim, levaram-nos de volta a seu ventre como nações reconciliados com o Pai e Criador.

Os acontecimentos de Medjugorie estão ocorrendo em um período da história humana que é particularmente ameaçado pelas forças do mal. É suficiente apenas considerar que as aparições de Medjugorie começaram apenas cerca de um mês após a tentativa de assassinato do Santo Padre. Como poderia a Rainha da Paz, possivelmente, ficar indiferente em face do ódio e da violência devastadora de Satanás, que ocultamente preparava um dos ataques mais violentos já conhecidas do mundo, ainda lamentavelmente refletido em Sarajevo?

Seria mais surpreendente se as mensagens de Medjugorie não tivessem sido dadas; não devemos ser perturbados pelo fato de que Medjugorie existe! Também não devemos  ser escandalizados se em Medjugorie, como em Fátima, a luz de Deus brilhou em meio à escuridão do final deste século. Isto é, em vez disso, uma razão para agradecer a Deus. Em todos esses anos, os seis videntes tem proclamado esta mensagem de luz de acordo uns com os outros, transmitindo sem jamais se contradizer, apesar de todos os obstáculos e sofrimento que os comunistas – e não só os comunistas – têm causado. Como eles poderiam ter resistido sem uma graça especial de Deus?

“Medjugorie é a continuação de Fátima.” Isto foi dito pelo nosso Santo Padre João Paulo II ao bispo Paul Maria Hnilica, em 1984. Muitas vezes o nosso Santo Padre falou favoravelmente sobre Medjugorie com cardeais, bispos, sacerdotes e grupos de fiéis, que em suas audiências privadas com ele, o informavam sobre Medjugorie. Este Vigário de Cristo, tão atento ao longo da história, nunca hesitou em mostrar o seu amor e gratidão pela mensagem de Medjugorie. “Protejam Medjugorie”, ele também disse ao franciscano, Padre Jozo Zovko, que pagou com prisão por sua fidelidade às aparições de Medjugorie, enquanto era pároco lá em 1981. Não só o Papa João Paulo II mostrou a sua benevolência para com Medjugorie, mas ele também manifestou mais de uma vez (como também o Presidente croata declarou recentemente) seu desejo de visitar Medjugorie.

Através de sua presença em Medjugorie neste ano dedicado ao seu Filho, o Salvador do mundo, ela, a Mãe de Deus, incentivou-nos a seguir o Papa, o Vigário de Cristo, onde quer que fosse. Medjugorie tornou-se como Fátima, um centro internacional de oração e de sustento espiritual para a Igreja universal e, de modo particular, para o ministério do Papa João Paulo II.

Uma razão pela qual a Rainha da Paz chegou à aldeia de Medjugorie foi confirmar o “Totus Tuus”, ajudando-o levar até ao fim o imenso trabalho que o Senhor lhe confiou. Este trabalho confiado pelo Senhor ao Santo Padre, é a tarefa de levar a Igreja no Terceiro Milênio. Quem, mais do que ele, foi preparado através do sofrimento para abrir a Porta Santa do Natal do ano de 1999, para quebrar o selo desta porta, de modo que a infinita misericórdia de Deus pode fluir para as profundezas da Igreja?

Queridos irmãos e irmãs de grupos de oração de Medjugorie, também nós somos chamados a fazer o que o Santo Padre pediu ou seja, a cair de joelhos e pedir a Deus a graça de que o Papa João Paulo II pudesse guiar a Igreja no terceiro milênio. Fátima, no início do século e Medjugorie no final do milênio ambos mostram a presença materna especial que vem para ajudar a Igreja, o Santo Padre, e todos os povos em todo o mundo em seus momentos particulares de necessidade.

O movimento espiritual de Medjugorie, que é vivo na Igreja, tem experimentado por anos uma vida espiritual que brota de e encontra  o Coração Imaculado de Maria. Assim como Elizabeth, também temos experimentado profundamente em nossos corações a alegria da presença da Virgem Maria, uma alegria dada a todos os corações simples que se refugiam na sua materna intercessão.

Ela vem para nos revelar toda a beleza que pertence a Cristo, pois Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida! Ela traz esta nova vida a Medjugorie para elevar e consolar as feridas de muitos membros da Igreja, nossa Igreja, que agora se vê em grande necessidade de renovação pelo Espírito Santo. Sem esse encontro com a Mãe de Jesus, não há vida sobrenatural. Esta vida é sempre ameaçada – há sempre um Herodes esperando para destruí-la.

Nós peregrinos de Medjugorie todos recebemos, portanto, a grande responsabilidade de trazer o fruto do dom da oração que a Rainha da Paz veio para nos trazer em Medjugorie. Oração do coração e de penitência fazem-nos andar na verdade do Evangelho e formar a nossa armadura para combater Satanás e seus seguidores. As mensagens de Medjugorie, sem quaisquer comandos ou pedidos, deram origem a um movimento de oração que se espalha de forma espontânea em todo o mundo para ajudar a todos de boa vontade para andar na Verdade. Na Igreja de hoje, infelizmente, o frenesi de ação é generalizada. Medjugorie lembra-nos que a Igreja é mais ativa no Cenáculo do que em qualquer outro lugar, porque é lá que os Apóstolos “perseveravam unânimes na oração, juntamente com … Maria, mãe de Jesus” (Atos 1:14).

Não podemos permitir que a polêmica, desarmonia, divisão e condenações soltas venham a  sufocar o espírito de comunhão e de oração que  preenche o  o movimento Medjugorie por anos. Temos que voltar a viver as mensagens, e seu apelo mais urgente continua a ser o mesmo de sempre: “. Rezem, rezem, rezem”.   O movimento Medjugorie nasceu para permanecer fiel a este pedido da Rainha da Paz. Esta mensagem reuniu-nos a adorar Jesus, realmente presente na Eucaristia, para adquirir Dele a luz do Espírito Santo, para compreender e amar a Palavra de Deus, e, assim, ter a força e a coragem de viver as verdades do Evangelho, perdoar e encontrar a paz.

É nossa conversão somente que determina o futuro da humanidade. Conferências, reuniões e palavras não vão mudar o mundo. A Rainha da Paz revelou-nos o caminho para se chegar a uma conversão do coração. É o caminho que nos leva ao Cenáculo, pois o Cenáculo é o lugar onde nós oramos em união com Maria, a Esposa do Espírito Santo. Através de tal oração, somos capazes de reconhecer nossos pecados, fazer penitência e converter. É por isso que Medjugorie não nos pede grandes programas, mas  coisas simples que encontramos em suas mensagens. Eles são encontrados como cinco pedrinhas: a Eucaristia, a Palavra de Deus, a Confissão Mensal, o Rosário, e Jejum. É desta forma que nós, assim como Davi, teremos a  vitória prometida sobre Golias.

Nós não devemos nos surpreender se Satanás tentar destruir os frutos sobrenaturais que amadureceram no interior do movimento espiritual de Medjugorie. A fim de nos proteger, devemos realmente amar, servir e imitar nossa Rainha e Mãe da Paz, vivendo suas mensagens que convidam à conversão através da oração, do jejum e abandono em Deus para ter paz. Nós não devemos ser perturbados pelas mentiras que são espalhadas sobre Medjugorje; Nós só devemos responder com a verdade da nossa vida cristã. A nossa devoção mariana deve sempre tornar-se uma verdadeira imitação mariana. Assim, ela vai viver sua vida em nós. Se queremos conhecer o Filho de Deus, vamos ter com sua Mãe! Papa João Paulo II dá o exemplo; ele, o Papa, vai a Maria para conhecer Jesus. Ele diz: “Totus Tuus”.

O Movimento Medjugorie é um “caminhar” para Maria com Maria para descobrir seu Filho. Esta jornada espiritual, considerada por muitos como uma grande bênção para a Igreja, não cria confusão. Confusão é a obra do maligno. A Rainha da Paz não nos confunde em suas mensagens, mas  nos orienta em direção às verdades evangélicas, e a própria Medjugorie tornou-se para inúmeros peregrinos um lugar de reconciliação com a Igreja, não um lugar de separação da Igreja. O movimento vive dentro da Igreja e neste espírito ama a Igreja local onde ela está presente com grupos de oração. Assim, muitos pastores, como o falecido Cardeal Siri de Gênova, deram graças a Deus pela presença renovadora de grupos de oração Medjugorie em suas dioceses e suas paróquias.

Sabemos bem que há vozes contra Medjugorie. Mas não é a primeira vez que há desacordo sobre um evento sobrenatural, mesmo entre os próprios bispos. Queremos confiar-nos, sobretudo, ao discernimento do Pastor Supremo,  João Paulo que, a respeito dos acontecimentos de Medjugorie, nunca mostrou qualquer dúvida quanto à sua origem sobrenatural. “O mundo está perdendo seu sentido do sobrenatural.

As pessoas estão redescobrindo isso em Medjugorie através da oração, do jejum e os sacramentos “, disse o Santo Padre alguns anos atrás, depois de um encontro com uma comissão médica do A.R.P.A. Juntamente com o Bispo eles relataram ao Santo Padre os resultados científicos que obtiveram de exames dos seis videntes durante o êxtase. Eles concluíram que esses fenômenos são inexplicáveis do ponto de vista natural.

Esta foi a primeira vez que os instrumentos científicos foram utilizados para examinar os videntes, enquanto eles estavam em êxtase durante as aparições em Medjugorie. Queridos amigos, vamos unir nossos corações ao Coração Imaculado de Maria. Estamos claramente cientes de que estes são os seus tempos, os tempos anunciados em Fátima, confirmados nas mensagens de Medjugorie. Gostaríamos de concluir com as palavras do nosso amado Santo Padre João Paulo II que, durante o Angelus de 07 de março de 1993, referindo-se à guerra na Bósnia-Herzegovina, disse: “Temos de voltar para Deus, para conhecer e respeitar suas leis! Peçamos à Virgem Santa esta renovada consciência. Sua admoestação e presença materna foi ouvida tantas vezes, mesmo em nosso século. Parece quase que ela gostaria de nos alertar sobre os perigos que ameaçam a humanidade.

Em relação às forças das trevas do mal, Maria nos pede para responder com as armas pacíficas de oração, jejum e caridade. Ela nos aponta para Cristo, ela nos leva a Cristo; não vamos decepcionar as expectativas de seu coração de mãe! Estas palavras do Santo Padre não são uma bela síntese das mensagens da Rainha da Paz, mensagens que se espalharam a partir de Medjugorie a todo o mundo? A Rainha da Paz nos quer unidos em oração na expectativa fiel de um novo Pentecostes que irá renovar a face da terra. Caminhando com ela, vamos ao encontro do Senhor. Unidos em amor pela nossa Mãe, a Rainha da Paz,

Monsenhor  Frane Franic, Monsenhor Paolo Maria Hnilica,  Padre Tomislav Pervan, Frei Ivan Landeka,  Frei Jozo Zovko,  Frei Slavko Barbaric, Frei Leonard Orec.                    Medjugorie, 25 de junho de 1997.

Traduzido do inglês por Ehusson Chequer – tradutora do Portal Medjugorje Brasil – http://www.medjugorjebrasil.com.br

Fonte: http://www.medjugorje.hr/en/medjugorje-phenomenon/guide/spiritual-movement/

 

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *