Michael Brown: “Vi cruzes em toda Medjugorje”

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Compartilhe com seus amigos!
michaelhbrown
Michael H Brown

Como um jornalista formado e experiente em jornais, revistas nacionais, literatura de não ficção, eu fiquei espantado sobre comentaristas e peritos em Medjugorje que jamais foram lá.

Para mim que não era uma questão de fé ou intuição mas de observação. Quando eu visitei Medjugorje pela primeira vez em maio de 1990, minha reação inicial foi de raiva. De fato, era somente raiva. Minha conversão veio anos antes (enquanto eu escrevia um livro sobre a máfia) e enquanto eu acreditava que a Mãe Bem-Aventurada provavelmente aparecia neste lugar tão distante (a primeira vez que li sobre isto foi na People Magazine), eu não tinha planos de ir lá até que eu vi o dramático efeito positivo que aconteceu com minha mãe, que eu tinha mandado para lá.

Então eu fui lá alguns meses depois e quando eu cheguei eu fiquei muito perturbado porque diversas senhoras idosas de nosso pequeno grupo que correram até mim dizendo: “Olhe ! A cruz está girando !”

Quando eu olhei para a montanha – conhecida como Krizevac – ela estava parada, não tinha nada fora do normal.

“Olhe !” – outra senhora me disse poucos momentos depois: “a cruz desapereceu”. Quando eu olhei, ela ainda estava lá.

Eu estava com raiva porque apesar da minha inclinação inicial eu estava convencido que estas “aparições” eram caso de uma histeria de massas.

As boas pessoas que tinham viajado comigo estavam imaginando coisas.

E agora eu estava preso lá na Bósnia-Hercegovina – para melhor parte de uma semana – neste povoado que na época tinha alguns telefones, mau serviço de telefone internacional, sem TV, sem banca de jornal e no momento nem mesmo bom restaurantes.

Então, as coisas começaram a acontecer.

Pelo que me lembro, a primeira noite após um longo dia de oração Eu olhei para a lua e parecia se dividir em duas luas – um com o perfil gravado de uma mulher de véu, a quem eu identificados, é claro, com Maria, outra esfera gravado com um homem de barba parecendo ser um santo me-olhando.

Quando perguntei a uma dessas mulheres no grupo se ela viu alguma coisa (sem dizer a ela que eu estava vendo), ela engoliu em seco e exclamou: “Duas luas!”

Ela viu Maria na esquerda (e nada na outra; depois, vi que ele se parecia com uma estátua de Elias, o profeta).

Andar a pé da igreja através de um velho campo de tabaco  uma noite subsequente, no momento da aparição, de repente vi o sol não só girando, como tantas pessoas relatam, mas enviando grandes largos filamentos castanho avermelhados e arroxeados e cores azuladas, que também englobavam as montanhas, incluindo o Krizevac. Foi uma incrível aura estereoscópica diferente de tudo que eu tinha visto e tenho visto desde então. Quando eu corri até um casal caminhando na minha frente e perguntei se eles viram também, a mulher excitada confirmou que, sim, ela viu também. Foi o treinador de futebol Don Shula e sua esposa.

Durante a missa naquela semana, eu vi várias luzes ali mesmo na igreja incrivelmente lotada – como manchas após olhando para o sol, mas eu estava lá dentro, não olhando para o céu, e eles não eram apenas em forma de coração, mas de um tom rosado. Ele pulou na minha frente!

Eu não sofro de alucinação.

Todo o nosso grupo observava através de binóculos mas numa noite antes de sair como uma estrela parecia dividido em várias estrelas menores, coloridos (azul, branco e vermelho), Linha ondulada para baixo, dança ao redor do céu, em seguida, reunir em um só. Muito mais significativo foi a grande sensação de paz. De fato. a própria palavra “paz” tomou um novo significado para mim. Eu nunca tive qualquer coisa experimentada aproximando isso antes – e aqueles que não o experimentaram precisa; Eu senti o Espírito Santo em todo este lugar.

Em viagens posteriores, vi uma grande pomba, luminosa em plena luz do dia ao longo da Igreja de São Tiago (em 15 de agosto, a Festa da Assunção, nesse mesmo ano, observado por mais de dez minutos, como eu deslocado posições e até mesmo mudou meus óculos) ; um feixe de gota luz do sol, aparentemente toque no campo à frente de mim, e formam uma cruz perfeita; estrelas mais em movimento; meteoros; um fogo estranho no Monte das Aparições; mais milagres no sol (incluindo o disco); um rosário de repente, ficou cor de ouro.

Na minha primeira visita, cada vez que eu olhei para baixo, havia cruzes no chão – formado perfeitamente por galhos ou palha ou ervas daninhas; muito numerosas. Em várias ocasiões durante uma aparição, vi pequenas luzes de meteoritos do tipo pisca para a Cruz uma fração de segundo antes que os videntes caiu aos seus joelhos. Não há nenhuma maneira que eles criaram os “efeitos especiais”. Eu vi uma cruz luminosa aparecem na parede ao pé da minha cama enquanto eu rezava o rosário. voz da Santíssima Mãe pareceu tão claro aqui. Durante uma peregrinação, meus dois sobrinhos encontrou um homem mais incomum mais velha vestida toda de branco, mas como um monge e, embora ele não falam Inglês, ele manteve misteriosamente apontando para o céu acima da aldeia. Quando se virou, ele se foi (embora não havia nada no Monte das Aparições, onde estavam, para se esconder atrás), e logo após, eles testemunharam o que parecia ser um meteoro ou raia bola de fogo para baixo à direita da aldeia onde o homem tinha apontado . Estes são testemunhas não duvidosos; um deles agora trabalha para um dos maiores escritórios de advocacia do país e a outra terminou medicina recentemente.

E assim por diante.

Em quem acreditar: nos comentários negativos dos que nunca visitaram este lugar, ou dos meus próprios olhos são mentirosos?

Eu vou pelo o que a Igreja termina formalmente concluir (que está atualmente nas mãos de uma comissão do Vaticano) – período – mas a minha opinião pessoal é que este é um lugar a meio caminho entre aqui e no outro, um local onde sobrenatural a partição dimensional é fino. Eu tinha ido através da minha “conversão” (na verdade, o meu retorno) para os anos de igreja antes, como eu disse (independente de qualquer aparição), mas isso me trouxe para uma fase mais profundo e mais rico do catolicismo. Ele também estimulou a minha escrita no reino católico. Não só praticamente todo mundo mudar para melhor depois de visitar, mas fê-lo profundamente – converter os outros, estabelecendo Adoração em suas paróquias em cima do retorno para os EUA, a partir de grupos de Rosário incontáveis, e em muitos casos tornando-se sacerdotes. Os videntes são humanos – e não perfeita (é qualquer um?) – Mas os bons frutos amplamente superada qualquer “mau”.

E assim – se Deus quiser – vamos estar de voltar lá em junho deste ano para liderar uma peregrinação, um menor e mais intimista que alguns temos levou no passado. Vai ser a minha oitava vez. Não podemos esperar. Pedimos suas orações. A única certeza: a de que a paz ainda estará lá, e que cada viagem será diferente do que qualquer anterior.

– Michael H. Brown

Fonte: http://blessedhope.yuku.com/topic/203/1-MEDJUGORJE-Catholic-Prophecy-Global-Conversion#.V_Z5BeArKhd

And now I was stuck there in Bosnia-Hercegovina — for the better part of a week — in this hamlet that at the time had few phones, poor international phone service, no TV, no newsstands, and at the time not even good restaurants.

Then, things started happening.

As I recall, the first evening after a long day of prayer I looked up at the moon and it seemed to split into two moons — one with the etched profile of a veiled woman, whom I identified, of course, with Mary, the other orb etched with a saintly-looking bearded man.

When I asked one of those women in the group if she saw anything (without telling her what I was seeing), she gulped and exclaimed, “Two moons!”

She saw Mary in the left one (and nothing in the other; I later saw that it resembled a statue of Elijah the prophet).

Walking from the church across an old tobacco field a subsequent evening, at the time of apparition, I suddenly saw the sun not only spinning, as so many reported, but sending out huge, wide filaments of russet and purplish and bluish colors, which also encompassed the mountains, including Krizevac. It was an incredible stereoscopic aura unlike anything I had seen and have seen since. When I hurried up to a couple walking ahead of me and asked if they saw it also, the woman excitedly confirmed that, yes, she was seeing it too. It was the football coach Don Shula and his wife.

During Mass that week, I saw several lights right there in the incredibly crowded church — like spots after staring at the sun, but I was inside, not looking skyward, and they were not only heart-shaped but of a pinkish hue. They just drifted by in front of  me!

I am not prone to hallucination.

Our entire group watched through binoculars another night just before leaving as a star seemed to split into several smaller, colored stars (blue, white, and red), squiggle down, dance around the sky, then reunite into one. Far more significant was the overwhelming feeling of peace. In fact. the very word “peace” took on a new meaning for me. I never had experienced anything approaching it before — and those who have not experienced it need to; I felt the Holy Spirit all over this place.

On subsequent trips, I saw a large, luminous dove in broad daylight over St. James Church (on August 15, the Feast of the Assumption, that same year, observed for more than ten minutes as I shifted positions and even changed my glasses); a beam of light drop from the sun, seemingly touch the field ahead of me, and form a perfect Cross; more moving stars; meteors; a strange fire on Apparition Hill; more sun miracles (including the disc); a rosary suddenly with gold links.

On my first visit, every time I looked down, there were crosses on the ground — formed perfectly by twigs or straw or weeds; too numerous. On several occasions during an apparition, I saw tiny meteorite-like lights flash to the Cross a split second before the seers fell to his or her knees. There is no way they created those “special effects.” I saw a luminous cross appear on the wall at the foot of my bed as I prayed the Rosary. The Blessed Mother’s voice seemed so clear here. During one pilgrimage, my two nephews encountered a most unusual older man dressed all in white but like a monk and though he didn’t speak English, he kept mysteriously pointing to the sky above the village. When they turned away, he was gone (though there was nothing on Apparition Hill, where they were, to hide behind), and shortly after, they witnessed what seemed like a meteor or fireball streak down at the village right where the man had pointed. These are not dubious witnesses; one of them now works for one of the nation’s largest law firms and the other recently finished medical school.

And so forth.

Who was I to believe: the negative commentators who have never visited this place, or my own lying eyes?

I’ll go by what the Church ends up formally concluding (it is currently in the hands of a Vatican commission) — period — but my personal belief is that this is a place halfway between here and the hereafter, a supernatural spot where the dimensional partition is thin. I had gone through my “conversion” (actually, my return) to the Church years before, as I said (independent of any apparition), but this brought me into a deeper and richer phase of Catholicism. It also spurred my writing in the Catholic realm. Not only did virtually everyone change for the better after visiting, but did so profoundly — converting others, establishing Adoration in their parishes upon return to the U.S., starting uncountable Rosary groups, and in many cases becoming priests. The seers are human — and not perfect (is anyone?) — but the good fruits vastly outweighed any “bad.”

And so — God-willing — we’ll be returning there this June to lead a pilgrimage, one smaller and more intimate than some we have led in the past. It’ll be my eighth time. We can’t wait. We ask your prayers. The only certainty: that the peace will still be there, and that each trip will be different than any previous.

— Michael H. Brown

Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *